Graça Rios II – Entrevista “ainda no penhasco…” (mulher, literatura na web, art pop e leituras)

Graça Rios II – Entrevista “ainda no penhasco…”

(mulher, literatura na web, art pop e leituras

Nesta segunda parte do especial literário com a escritora Graça Rios, abordaremos a literatura na web, a feminilidade, a pop art  e algumas reflexões sobre a leitura.

Em 2012, ao inaugurarem o Blog das Belas Coletâneas Ridículas, você e o escritor Etelvaldo Vieira de Melo assinam um excelente manifesto, intitulado Blogu’eus, a respeito da publicação por meio do weblog. Daquele ano para cá como vocês veem a distribuição de literatura na rede mundial e a leitura pelas telas? Costumam pesquisar nos mares da rede sobre literatura contemporânea, buscam por novos autores?

1.Premissa: Toda semana, recebo urge rugindo a mensagem: ‘KD o texto para sábado? Etelvaldo.’. Às vezes, até em Inglês, por causa do aperto na UFMG, possuo alguma prosa pronta; noutras, opto pela crítica cinematográfica. Conforme afirmei, leio tudo que posso sobre o filme visto vivamente vivo. Por exemplo, procuro do excelente ‘O Insulto’: diretor, astros, ficha técnica, comentários, prêmios. Daí, associo essa pesquisa à mitologia grega ou romana. Se fosse agora, teria ligado Parasita ao drama real de terror Corona Vírus, sob o prisma de estar tudo parado. E escrevo: ‘-Não vale mandar de volta.’ E pur si muove o texto, renegando a possível visão heliocêntrica do mundo perante o tribunal da Inquisição dele e do leitor.

Espero passarem-se dez e meio quartos de luas. Pergunto: Fomos condenados? E o IBOPE: Quanto?

Ele: -De sempre! ou: Na semana passada foi ruim, mas hoje tá um dia bão.

Temos 60% cliques na Europa. 30 %, na América. 5%, na Grécia.

– E no Brazil ou Brasil? – 2% dos amigos comentaram se…

Se a expressão tiver uma conotação hodierna, permita-me gritar: ‘- Teco-Teco, eu fico enfezada pqp com isso, orra!’. Mas o amigo é mansinho: ‘No exterior, o povo traduz bem o que escrevemos.’

Sábado seguinte, mando um poema: – Etel, será que na Cochichina entenderão minhas metáforas, enjambements, jogos de linguagem, tema? Ele– Elogiam muito os comentários futebolísticos do Ivani, Mariinha! Hão de a Voz entender-Vos também. (Eu sou a Mariinha).

PS: Ivani, esse o leitor já viu e adorou. É o jornalista, terceiro sócio da nossa dupla.

2. Tese: As bolas graciosas e tico-ticas caem bem nos cestos estrangeiros, mas brasileiro gosta mesmo é do goleiro Ivani. (Vide wwwbbcrblogspot.com)

Em termos de acessibilidade o texto na tela facilitaria a distribuição em rede e o alcance dos leitores. Era o que muitos profissionais esperavam, há quase uma década e meia, quando da chegada dos simuladores virtuais de livros e revistas. Na sua percepção, isso aconteceu? Ou está acontecendo?

A tecnologia é um fator de desenvolvimento universal. Não é ruim PARA O LEITOR AMBIENTADO COM ELA, E BOM CONHECEDOR DO QUE HÁ DE QUALIDADE PARA SER LIDO, mas nada substitui os volumes encapados e a cores, letra digitada, anotações, papel sedoso, da Coleção Temas da Arte Contemporânea, de Katia Canton ou O Café Filosófico, organizado por Markus Figueira da Silva em Natal, pela Editora da UFRN, para jovens vestibulandos ou universitários.

Quais os critérios utilizados pela internet para orientar o trabalho formidável de Machado de Assis? Que eu saiba, nenhum.

Ítalo Moriconi diz que a literatura de pensamento e sentimento, isto é, as belas letras da expressão humana devem ser guardados na memória e nos acervos. Você tem o seu acervo digital particular de arquivos? Tem uma lista de links para navegação constante? Na sua opinião, as vantagens das bibliotecas virtuais e digitais compensam suas respectivas desvantagens?

Há um filme, Fahrenheit 451, de Ray Bradbury, que concedeu a Moriconi dez mil orgasmos múltiplos, com certeza. (Perverso! Orgasmo não é apenas sexual, bobão!)

Queimados por proibição governamental todos os livros de uma cidade, o bombeiro Montag e a vizinha Clarisse reúnem escondido um grupo sem função de intelectuais, e cada um memoriza um livro famoso no acervo cerebral. Daí pra frente, veja a película, ora, ora.

Tenho recebido mensagens sobre bibliotecas virtuais magníficas à disposição do internauta. KARAOQ ue mané desvantagem? Acho fantástico também pagar apenas dois reais a um site do Word para ler o que imaginar. Vou escrevendo e pesquisando, simultaneamente. (Ai, contei sem querer o meu segredo de gênia geniosa engenhosa). ‘Dilícia’ exulta o dolor lectorem (= leitor esperto). Onde é o site? Aonde ir? Não conto. Desconto, por dez contos, só o latim do Translate Google.

Não me referi, lógico, a quem põe em segundo lugar o livro de papel, seu saboroso olor verde, seu colírio para os amados olhos. Em outras palavras, aos vagabundos, trapaceiros, vigaristas, preguiçosos, embusteiros, tapeadores, golpistas, desonestos e… que só leem… isso mesmo que o leitor pescou. Guardo artigos, dissertações, poemas, coisas boas, no pen drive, dentro de um arquivo de aço. Peço a alguém de confiança que guarde capítulos de livros que parei de fazer, desde que um antigo psiquiatra me alertou pelo telefone para o fato de eu ter deixado a cabeça no consultório fazia quinze dias.

O mesmo Ítalo Moriconi no capítulo O pop e o após do livro Como e porque ler a poesia brasileira do século XX diz que “na cultura pop (inteligente) o mundo da diversão e o mundo da arte séria se reaproximam”. Muitos artistas tais como Ana C. César e Torquato Neto, sobretudo poetas-letristas trabalharam e ainda trabalham a popificação da literatura tornando-a mais acessível. Fale-nos de sua postura ao explorar os temas e as linguagens da pop art.

Pois eu não estou chateando você aqui com a pop Literatura? Nada mais sério que um escritor brincando. Quem quiser letra dura, econômica, vacinada pra quarqué virusinho ou virusão lav®ado em ducha corona, passa na Biblioteca, pega uma obra Parnasiana, das Academias Barrocas ou das Academias em Geral.

Se desconsiderar o pessoal marginal que procura um estilo diferente, a rebelião contra as Grandes Editoras e seus asseclas, como Cacaso, Ana Cristina, Leminski, os irmãos Augusto e Haroldo de Campos, nos anos setenta, os novos da pós-modernidade; se os desconsiderar, o Brasil cultua o princípio, meio e fim feliz dos romances açucarados. Os escolásticos imperam na Didática. Escolas têm horror a escritor ousado, demolidor do edifício de concreto armado Romântico. Porque não estudam, não se aprofundam na paixão e na técnica do pós-tudo, fornecem aos jovens os sonetos rimados, melosos, os versos de autoajuda. Caiu o muro de Berlim, porém o estudante brasileiro está do lado velho da Literatura. Desconhece Fernando Pessoa, Pirandello, Deleuze. E mais… E mais… Encantam-se com o padrão, com a norma culta e opressiva da Gramática em cima das escrituras. (Felizmente) leem quadrinhos, conhecem Ziraldo, Ana Maria Machado, Fernando Vilela, Daniel Mundukuru, Maurício de Sousa, …

Eu gosto de descobrir o exótico, acreditar na capacidade leitural, na inteligência da garotada. Os editores, exceto um ou dois, publicam textos imbecis e lhes repugnam os bem elaborados, pois querem vender, ganhar dinheiro e obedecer à política dos pobres de ideias e imaginação. Devolveram-me A Hora do Gol, pois adolescente não conhece futebol no meu estilo. Ah, ah, ah! Vingar-me-hei, podem temer.

Qualquer um tem medo de Virgínia Woolf, quando vê o destempero criativo mil anos-luz à frente em termos de ironia do poema seguinte, escrito no século passado. Afinal, os bons textos não têm pés quebrados: têm asas, certo, Emílio de Menezes? Ei-lo:

A Uma Deusa (O Quelso)

Luís Lisboa (maranhense)

Tu és o quelso do pental ganírio
Saltando as rimpas do fermim calério,
Carpindo as taipas do furor salírio
Nos rúbios calos do pijom sidério.

És o bartólío do bocal empírio
Que ruge e passa no festim sitério,
Em ticoteios de partano estírio,
Rompendo as gâmbias do hortomogenério.

Teus lindos olhos que têm barlacantes
São camençúrias que carquejam lantes
Nas duras pélias do pegal balônio.

São carmentórios de um carce metálio,

lúrias peles em que pulsa obálio
Em vertimbáceas do pental perônio.

Barlacantes carmentórios

Pulsa obálio gâmbias lúrias
Do pijom és o bartólio
Carquejantes camençúrias.

 A boa literatura pop… as nossas excelentes canções com letras inteligentes, podemos considerá-las como poesia culta?

Trovadores – aqueles que escreviam a letra da cantiga. Jograis – pessoas que tinham como função declamar poesia ,se deslocando de festa em festa, de sarau em sarau para declamar. Segréis – fidalgos que iam de corte em corte para disseminar arte e literatura, e podiam compor também, como os trovadores.Trovadores e segréis cantavam nos palácios ou nos feudos, acompanhados de flautas reta, transversal, cornamusa, viela de arco.

Tomei nota do exposto acima para mostrar a quem me lê as características da poesia medieval. Os cantores populares ouviam as lavadeiras entoar lindas canções nos rios. A partir desse leitmotif, ganhavam a vida tocando instrumentos e reelaborando o escutado. Seria o que hoje denominamos SIMULACRO?

Conheço um compositor Cristiamamos (Cris) ou um segrel/menestrel/trovador? Pop, pop, que nem nóis semo. Escuto-o cantar, ouço sua mãe assobiar, enquanto a esposa Rita tece (tessitura, tecido, texto) e me questiono Onde está a Margarita, olê, olê, olá? Ele também cola uns trecos esquisitos, põe uns pensamentos abalroados barrocos, uns cri-cris de sapassagrilofantes no entoo.

Em incerta feita, perguntei se aquilo era Debussy. Claude-Achille Debussy foi um músico e compositor francês. A sua música inovadora  agiu como um fenômeno catalisador de diversos movimentos musicais em outros países. Ele achou Graça na comparação. De verdade: Wagner, Debussy, Ravel, me causaram uma espécie de agonia há uns anos atrás. Custei a engolir o Bolero. Mas fui a um concerto contemporâneo de música feita em fundo de mina. Que Minas Gerais, sô? Tô falando de mina d’água lá embaixo, com pedra batendo em galho, vento sussurruPIANDO vrum VRUUUUM   FFFFFFFFFiiiiii, cascalho rolando na plateia, BAT BATTT, plamplam, impressão de estar no oco do toco do choco dos crocodilos, um Orror! Desculpe-me. Herrar é umano! Jogaram laser em torno das poltronas.

  1. Laser, abreviação em inglês de “Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation” que significa Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação é um dispositivo que cria e amplifica um intenso feixe de luz monocromático (contém exatamente uma cor ou comprimento de onda), coerente (a luz liberada é organizada e bem definida) e colimado (propaga-secomoumfeixe) Dicionário Google

Aí, endoidei memo.

Nunca vira aquela balbúrdia interplanetária subterrânea terrânea à minha volta. Paganini, dizem, era um virtuose do violino que tocava em cima dos túmulos no cemitério. Meu pai só não subia nos túmulos, mas virava um pagão do violão em cima da cama limpa e passada a ferro de brasa de minha mãe. Espere, leitor, que vai entender a mess (Mess= bagunça, ing.) organizada.

Aí, o laser, os treco caindo do teto em forma de imagens, a água, a gritaria nossa, aquilo me enlouqueceu de luxúria, vaidade, gula, setenta pecados capitais de prazer e gozo. Jamais tive algo assim: precisão de camisa de força.

Agora, dou um espaço pra não confundir os cabeludos.

Chegando em casa, contei a Sebastian Bach Rios a minha efusão confusa e deslumbrosa. Ele se fechou comigo no quarto, pegou o violino:

– Filha, temos de trancar a cela com a cancela, senão vamo de braço dado pro manicômio. Sua mãe chama os psicô e isso vira um kokô. Espaço.

Pegou a caneta e começou a compor em notas filhas da pauta o que eu cochichava.

O que eu cochichava? Você me jogaria rolling stones (pedras rolando, ingl.).

Pasme-se! Era a boa literatura pop…as nossas excelentes canções com letras inteligentes, consideradas só por nós ambos, pai e filha amantíssimos (da Arte), a poesia mais culta do mundo. Eu só a interpretarei algum dia em cima do meu próprio caixão. Sozinha, em solo comigo e meu papá.

Sabemos que uma grande quantidade de tarefas e responsabilidades quotidianas recaem sobre a mulher: realização, supervisão e/ou governança de inúmeras tarefas do lar e da família. Como a escritora se arranja com vistas a obter liberdade doméstica e tempo para criar?

Criar, tocar Órgão, fazer o Avançado de Inglês na UFMG, ser a síndica mais cínica do Edifício Amaralina, fazer Pilates, ir à psicóloga, ir ao consultório da minha Gnana botoqueira pra arrumar a cara, ficar com os netos no domingo, pôr freio na Rose, minha empregada que me freia, ler, comer, quase dormir… e tomar o comprimidinho. Quando começo a ficar muito MUITO e palhaça D+, a Rose fala: – Esqueceu o comprimidinho, melancólica? E MO enfia goela abaixo. Assim, fico calminha, domesticada e recreativa.

Com base na sua experiência, quais seriam as diferenças essenciais entre a mulher escritora atrelada 100% aos “velhos papéis” com a mulher escritora independente de hoje?

A atrelada usa antolhos (viseira para onagros) na leitura do mundo e da letra.

Escrevi um texto para os alunos cegos, chamado ANTOLHOS, com a independência literária e a birutice de sempre. Enviei-o para uma amiga boa de bolo de chuchu no exterior, e ela quis enviar dinheiro para o cego que, na crônica, iria operar o globo (ocular) para voltar a ver as florestas, o ouro, o céu, as nuvens brancas de antes.

A boa de cama e ruim de livro leu a história 100% nos ‘velhos papéis’. Certamente, cozinhando passando lavando roupa encerando o chão lavando o banheiro e lendo….

Sempre meia bandida, meia fada, meia Medusa, pedi que pusesse a quantia em minha conta bancária para os gastos com a cirurgia malvada como o Cão.

Depois, escrevi, inteira/mente safada, que o cego, minha filha, é uma figura de linguagem. Por Deus, entenda que representava metaforicamente o brasileiro. Ele, eu, tu, não enxerga a realidade política, social, econômica em que vive e, se bem operado, pode ver.

Quem manda eu gostar de contemplar mirar observar espreitar considerar bispar almejar as coisas com os olhos da Pequena Príncipa exuperyda:

Só vemos bem com olho vivo. Vários olhos. Olho clínico. Olho nu. Olho-de-peixe. Olho-de-gato. Perder de vista. O resto essencial é invisível para… quem usa antolhos na cara.

Vejamos o seguinte trecho: “a mulher escritora é como um jardim: respira cercada pelo mundo dos homens, e o enxerga em outras cores, carregada de todo um universo de sutilezas ainda ignoradas – mas vivas.” (sobre Virginia Woolf em O Status intelectual da mulher, editora Paz e Terra, 1996). O que Graça Rios pode nos contar sobre sua experiência intelectual sob e sobre o olhar masculino?

Vinicius d’Imorais, aquele machista metido a vítima, vivia comparando a mulher com objetos: a linda lua, um jardim, uma rosa, um pássaro… Cara misógino, bandoleiro mulherengo naquele Soneto da Infidelidade.

Um cego do Braille prometeu-me um disco do sofista marciano. Respondi: Seja, pois, um disco voador, para atravessar as galáxias e ser quebrado pelas serafinas.

Mulher é mulher de carne e osso, seu viniciado na pinga. Mulher é gente, não é diferente. Detesto quem acha que homem é homem; e mulher, lobisomem.

Desculpe-me, leitor, mas sei ler por além das linhas a poesia do velho Vinil, com a Psicanálise da Professora do Mestrado Ruth Silviano Brandão, sob o olhar capcioso da Lúcia Castello Branco. E tem muita demoiselle suspirando por aquela b-o-s-t-a fraca.

Ali, a mulher vale tanto quanto o pé quebrado das estrofes.

Faltou o ghost-writer acrescentar: ‘respira pelo próprio nariz no mundo dos homens e das mulheres. Escreve caminhando leve e solta.’. Veja só, amizade, se aguento carregar o universo! Virei guindaste super-sônico? Só se for o universo dos filhos e netos, nove meses na barriga. Já me bastam os Rios.

Cercada e carregada, só se for pra cadeia, depois de matar na Paz da Terra, o sutil ignorante que falou essas asneiras porcas dela, a Virgínia, fã, entretanto invejosa da minha Ana Cristina Cesar. Se ainda estivesse vivo…. Sei lá…1966. Deixa pra lá.

O olhar masculino há de ver graça, garça e raça e rios e riso nas minhas experiências intelectuais, morais, cerebrais. Gatona enxuta, ainda! Perigosa, embora.

Se me achar um jardim abafado pelo que ignoro e as tais sutilezas, esse crítico há de enxergar tudo em cores roxas – onde estiver.

Com ‘Licença Poética’ de Adélia Prado, em Divinópolis, perto de onde nasci, ‘Inauguro linhagens, fundo reinos. / Mulher é desdobrável. Eu sou.’

 Thank you, AP.  Merci beaucoup.

Sobre leitura e audição de histórias. A escritora adquiriu muita experiência trabalhando com estímulo e elevação do nível de leitura das pessoas, seja em programas culturais e projetos editoriais, seja no sistema de ensino público e privado, como professora. Penso, a população em geral compreende bem as linguagens simbólicas das telenovelas, dos filmes, dos seriados e da publicidade. Mas por que, então, demonstra certa resistência em ler histórias de ficção e poesia? Por que não aprecia ouvir histórias contadas por pessoas mais experientes e maduras?

It all depends on the counter. Escrevi em inglês para criar suspense no que vou narrar. Tenho uma conhecida que me indagou: – Graça, a professora da minha neta de nove anos pede o reconto de um livro todo mês. A menina enjoou de tanto recontar os autores… que até são bons. O que faço com ela?

Fiquei confusa: com a neta ou com a professora? Claro que a pê da goga é uma carrasca infernal. Faz a criança odiar a leitura, a escrita, o livro, o autor. Existem centenas de atividades incríveis com a leitura. Teatralização, entrevista com o autor (se falecido, um grupo estabelece as questões; outro, responde como se fosse, por exemplo, Alaíde Lisboa); mural com retratos, poesias, recortes de jornais, redações, desenhos de artistas da classe; poesias; jogral com as filas de carteiras; charadas sobre a obra; construção das personagens na aula de Artes; concursos;  debates; filmagens; danças e músicas inventadas pelos grupos, bandas na aula de Música ou Artes; fantoches; documentários do livro ou do autor; visita à Editora com diálogos locais preparados antes;  convite ao escritor para uma conversa na escola ou na sala… E vai, vem, vai, o trem da leitura, do conto, da história vai parar no Paraná, Nordeste, Minas, Além-mar.

Trabalhei com Antonieta A. Cunha na BIJBH. As crianças e nós, adultos, caíamos todos os nove queixos (cinco de cada um) nos Concursos de Contação de Histórias. Em BH há minas de ouro, prata, diamante, em termos de grandes contadores . Citarei alguns, entre os mil conhecidos (perdão, por não citá-los): Deborah Michelin, Sandra Lane, Pierre André, Beatriz Myrrha, Ana Raquel Coelho, Trupe Maria Farinha, Alessandra Visentin, Samuel Medina, Rosana Mont’Alverne. Ligue para eles: na BIJBH certamente haverá os endereços.

Você conviveu com a Maria Luiza Ramos (Fale-UFMG), um outro talento exemplar que nos legou iluminadas formas de pensar a leitura. Ela nos avisa em relação aos “círculos do livro” e “pactos de leitura”, fenômenos que encurtam o repertório de quem lê. Maria Luiza idealizou um leitor versátil, paradoxal, capaz de escapar das camisas-de-força, superar os demasiados enviesamentos (cortes transversais), libertando-se dos mecanismos de controle do imaginário. Mas hoje os movimentos editoriais assumem explicitamente seus vieses e os leitores estão encarcerados em suas preferências. Há como pensar uma pedagogia que ajude a criar/sugerir o leitor ideal de Maria Luiza Ramos?

Maria Luiza, surpreendente intelectual, minha querida amiga e professora, tinha o seu ‘Leitor Ideal’. Certa vez, discutimos sobre isso. O que é o Leitor Ideal? Cada autor, professor, filósofo, crítico literário tem uma ideia diferente a respeito do que isso significa.

Pense comigo: O que é o Leitor Ideal na tecnologia? Qual o Leitor Ideal na leitura do mundo (hoje, não se considera leitura apenas do grafo, a letra. Lemos tudo o que existe, o tempo todo: a face do amigo, o quadro de Renoir, o sistema de governo, a pessoa que nos fala sobre algo – quer me fazer de boba? Me vender isso aí? Está mentindo? – o ambiente, o céu, a tampinha de cerveja no passeio – Quem a comprou? Sabe que essa marca faz mal? Não vê televisão. Bebeu até perdê-la? Porco! A lixeira logo ali!

‘O ato de ver só se manifesta ao abrir-se em dois, ou seja, o que vemos vive em nossos olhos pelo que nos olha. Partindo desse paradoxo, o historiador da arte francês Didi-Huberman compõe um ensaio que se aprofunda nas questões da arte, da estética e da interpretação contemporâneas.’ (Didi Huberman: O que  vemos, o que nos olha. Trad. Paulo Neves, 1998 – 1ª edição, 2010 – 2ª edição. Editora 34).

Citei o Didi, primeiro porque me fascina; segundo, porque nos ensina que olhamos os objetos. E os objetos nos olham também. Aprendi que o sofá me vê e chama: ‘ – Venha descansar, mulher. Assente-se em mim. Traga os objetos, ponha em cima do meu vizinho.’. E a luz, brilhando de alegria: ‘- Prefere que eu fique assim, ou estou forte demais para você? Acenda a minha colega do corredor. Fica mais claro.’.

Serei eu, a Bolinha (meu irmão me chama assim) , a leitora ideal de meu pobre texto? Então, alguém será? Fale mal, mas…

O político se acha o Leitor Ideal da Constituição. O psiquiatra se julga o Leitor Ideal do analisando.

O marido se acha o Leitor Ideal da mulher, dos filhos, dos cachorros, dos cambau. O leitor deste texto se acha o Leitor Ideal da minha trapaça de sapiência sobre ele até aqui, mas a leitora tia/avó/irmã do meu leitor acha que ele é o rato besta que engoliu o queijo da minha ratoeira.

Neste tempo de Corona Vírus eu sou a Leitora Ideal dos safados dos Fake News? Da China gananciosa? Da Rússia? Da Coreia? O João das Couves disse que leu nisso uma arma biológica.

Maria Luiza viveu ainda na esperança da liberdade leitural. Dos pactos de leitura que Silviano Santiago descreve e descrê n’ As Malhas da Letra. Que pactos? De que leituras? De que estranhos mecanismos na telealdeia de McLuhan, já sem identidade privada. Sempre gostei das perguntas, porque cada um tem uma resposta geralmente errada para elas. O que acha disso, você, que não se acha o ‘José’ de Carlos Drummond de Andrade? Feliz é o peixe: conTudo, nada, nada… Quem falou isso? Em terra de olho quem tem um cego…Errei!

                                               Graça Rios, 23/03/2020 às 03:15h

Av. Afonso Pena, por Charles Torres

Uma poetisa no penhasco da capital

UMA POETISA NO PENHASCO DA CAPITAL – Entrevista especial com a escritora Graça Rios

Vencedora de vários concursos literários, como o João de Barro, Nacional de Literatura Infanto-Juvenil de Brasília, Poesia no ônibus, entre outros; às vezes feroz ao defender sua postura e sua livre expressão; noutras vezes delicada em contemplar a natureza, a humanidade e as artes. Personalidade homenageada por sua generosidade e empenho no incentivo à leitura, tem o nome identificando uma biblioteca comunitária na zona norte de Belo Horizonte.

Poetisa, prosadora, trocadilhista e brincalhona, trata-se de singular representante de nossa literatura feminina contemporânea.

Mulher que a um só tempo/lugar voa alto sem perder de vista o ninho. Intertextualiza-se com Ana Cristina César, Sylvia Plath e outros tantos autores nacionais e estrangeiros. Experiente na vida e nas letras, perspicaz nas relações humanas e suspicaz nas sociais, mantém-se ativa na criação literária, no estudo de idiomas e de música. Desde 2012 escreve para o blog BBCR (Blog das Belas Coletâneas Ridículas). Tudo isso sem deixar de arrumar um tempinho para a família, a vizinhança e os amigos. Neste mês de março de 2020, temos a honra de realizar uma especial entrevista com a professora, a escritora, a cidadã, artista versátil e poetisa Maria da Graça Rios. Desejamos que os corações se abram a esse convite destinado a todos.

Sinta-se à vontade, inicialmente, para se apresentar à nossa rede de apreciadores internautas. De onde veio, por onde passou, onde está e para onde vai Graça Rios?

Eis aí quatro perguntas profusamente metafísicas para as quais nenhum mortal teria respostas. Peninha de peixe e rato! (risos). Tornando-as terrenas, acessíveis, sou de Carmo da Mata/MG, casei-me, divorciei-me, morei em Lavras e Vespasiano. Vim para Belo Horizonte aos dez anos, onde cursei o ensino básico, médio, superior. Fiz Mestrado e todos os créditos do Doutorado na UFMG. Sniff! Sniff! Lecionei Português e Francês no Estado e na Prefeitura local e no interior. Finalmente, fui aprovada no Concurso para Professor(a) de Nível Superior da UFMG, lotada e aposentada no Centro Pedagógico. Atualmente, continuo (e morrerei) ali, aprovada para o Nível C1, primeiro Avançado de Inglês/2020. Caso escritora, ganhei muitos prêmios, viajei o que dinheiro (mais o dos filhos) me possibilitou, com especialização na Área de Português nos Açores. Continuarei! buscando! entender! tocando! a grandiosidade enigmática da Música, o que faço desde adolescente com meu papai, Maestro violinista Sebastião Rios. À última pergunta, eu, sem graça, respondo perguntando: -Poderei ainda acreditar que vá escrever algo razoavelmente bem/mal?

Só sei que netinhos e filhos são minha glória artística. Se for, talvez  perdão  quiçá – ora, ora, cristão! – (onde vai GR?), para o céu, ficarei sempre nas alturas, astrolando esse fato.

Desde quando resolveu tornar-se artista? E como aconteceu a escolha pela arte da palavra?

Minha vizinha diz ao mundo que ‘seu verdadeiro lugar é no picadeiro, ô paiaça. Por isso tem nome de Graça.’.

Serious now. O padre de CM (onde nasci) me buscava em casa aos seis anos para recitar poesia no meguenormefone da torre da Igreja, mil vezes maior que aquela/esta triste figurinha. A cidade toda me ouvia cheirando e comendo “A Flor do Maracujá”, de Catulo da Paixão (por mim, tadim!) Cearense.

Em BH, aos dez, o Grupo Escolar SB, solene, me premiou com um sabonete, uma pasta dental (‘dentifrício’), e uma fitinha verde-amarela, por ter comentado bonito o Hino Nacional antes do Bolsonaro. Eu andava pelas ruas num T: esticava os braços pra Capital saber que nas Letras eu era um Tesão. Daí pra frente, estudei D+ da conta, e escrevo o alfabeto até no banheiro, publicando o primeiro livro num Concurso da Bienal. Ah, ah! A Menção Honrosa seria a edição do Chuva Choveu   pela Editora Miguilim, via minha musa Antonieta Antunes Cunha.

PS: A medalha de ouro do Concurso Brasil/Portugal foi conquistada com   o poema Açor Emigrante, redigido a lápis crayon num rolo de papel higiênico, comigo ou sem migo assentada no tampo do vaso. A Ilha Terceira havia sido devastada por um sismo marítimo, e o meu coração explodiu.

Muitos de seus textos nos exigem prévios conhecimentos literários, contato com outros autores. Há uma fartura de intertextualidades, citações, recriações, paráfrases, expressões do francês e do inglês etc. Fale-nos sobre suas buscas por influências, sua abertura às diversas estéticas e estilos.

Preciso muito da pesquisa para escrever. Manuel Bandeira renega quem vasculha o vocábulo no dicionário em ‘Poética”, mas eu quero saber tudo sobre vento, pé de vento, ventos alísios, willy-willy, vendaval, se falo do tufão. Também detesto o lirismo comedido, funcionário público, mas adoro discutir com o Aurélio qual palavra fica boa num verso ou diversos. No mais, colo uma lata do Andy Warhol, um abridor de amanhecer do M. de Barros, um versinho de Virgílio (Libertas quae…), um risco/arrisco/rabisco num livro com nome de outro livro ou capítulo de algo que apreciei e ‘vão lendo vão lendo’ (ACC). Sou muito pop e papuda, embora me julguem kkk também erudita. Bolas!

(Risos). Sabemos que tem realizado algumas experimentações poéticas com dois ou três idiomas intercalando-se durante a narrativa. Possui textos escritos exclusivamente em francês ou inglês? Pretenderia publicá-los?

Não escrevi nada exclusivamente em língua estrangeira. Gosto da Flor do Lácio/Inculta e bela. Porém, com ajuda do Translate Image, misturo alemão com aramaico com turco e Venunês. Tenho um livro escondido porque louco, inédito porque ninguém o editaria, mesmo sendo polissêmico, poliglota, polichinelo, polipólen, polip(l)uto. Chama-seVertigem Babélica.

Como considera os simbolistas brasileiros em relação aos portugueses e franceses? E quanto ao Movimento Modernista, o que dele mais incide sobre seus escritos, tanto em prosa quanto em verso?

Amo Baudelaire, Verlaine, Rimbaud, Mallarmé; mas minha sexy obsessão provém do ósculo ardente, alucinado de Camilo Pessanha. Eis o Segredo dessa alma e meu degredo. Ana Cristina Cesar é o navio que ancoro no ar; a tradução dos meus sete sentidos; a invenção de minha música em poesia de teclas desesperadas. Katherine Mansfield, ela, não reconto meu conto Bliss secreto de quando não defendi a tese de Doutorado porque me esqueci de fazer a rematrícula. Atordoamentos pós-tudo.

Ana e Katherine deixemos para as longas conferências que virão em breve. Alfhonsus, Dos Anjos e o Cruz e Sousa ficariam em que lugar na estante?

O Simbolismo de Cruz e Sousa dos trechos fugidios, cheios de buracos, chiaroscuros, questionamentos, dissoluções, agradava a turma do EJA, através dos excelentes professores.

O eclético e o contrastante se manifestam fortemente em muitos artistas mineiros. Há quem diga que tais características se devem ao nosso acidentado relevo e herança barroca, somando-se ao ecletismo do conjunto arquitetônico da capital. Concorda? Sente essas “atávicas” influências em suas expressões?

Quando Aleijadinho perdia a carne e os ossos, suas imagens encontravam a saúde, o esqueleto pétreo, a pele de cetim, carmim e ouro.

Empobrecido, roto, malquisto, enriquecia os santos e os altares com mantos tintos de sangue dos rubis, de brilho dos cristais, de amor pela justiça, paz, união entre os homens.

Deixei para o leitor um trecho menos esquecido (memória fraca, A.C.?) de um artigo que escrevi no Suplemento do Minas Gerais, sob o esplendor da amizade entre mim e o poeta Adão Ventura. O termo Barroco vem de Pérola de superfície irregular (esp.) ou é um processo mnemônico? O mineiro de trem vem dos dois.

Ótimo, ótimo… guardaremos mais esse fiapo de linha memorável sobre amizade e literatura. Estabelece limites formais “de caso pensado” no emprego do poema-prosa ou da poesia-prosaica? O que faz você decidir se vai expor o texto em versos fixos, em versos livres ou em prosa?

Pelo estilo inicial desta entrevista, o leitor já entendeu que eu não gosto de escrever com limites, nem com formas estabelecidas. Há um ditado que diz ‘O caminho a gente faz enquanto anda’. Vinicius adorava o soneto, porque os temas sensuais dele ficavam bem, ali dentro. Os parnasianos também (des)gastaram as formas ‘de caso pensado e impensado’.

Tenho me divertido escrevendo sonetos sem espaços: 14 linhas, geralmente brincantes, de baixo para cima. Também parafraseio ou pasticho os românticos, trocando as luas pelo sol, os dias pelas noites, os abraços por discussões e versa-vice. Literatura é liberdade. E eu luto por todo pássaro que possa tirar da gaiola. Mas, se me der na telha nestas 24 horas da noite do dia 02/03/2020, fazer um soneto de amor, eu o faço por seu gosto de doce de batata doce. Livre, morô?

Hai-Kai Balão, ilustração & arte de Maria Viegas

Hahahah….Ao iniciar o texto rola mesmo aquela indecisão como na hora de se arrumar para sair? Digamos, não sabe ao certo o que veste, o que calça, qual o peso da maquiagem tal e tal…diante de tantas opções? Conte-nos um pouco sobre seu processo pessoal de criação.

Levo dois anos para escrever um livro pequeno (30 páginas). Deixo-o na gaveta durante uns três meses para amadurecer. João Cabral: ‘O que hoje parece flor de prosa/poesia, amanhã ou depois parece fezes’.

Eu escrevo um hai-kai: Oh, que lindo! Que profundidade! Eu sou o Bashô que baxô em mim hoje. Sou fera na seara da (h)era.

Aí, deixo-o de molho no shoyu, enfiado num romance sobre suchi e antofagasta. Depois, num feio dia hibernal, encontro-o. Leio o primeiro verso e penso o quÊ? Que eu ou o Bashô endoidô ou era um spritu rúim que desceu fingindo ser ele. Eta, merreca! Fica mais de molho no shoyu.

(Ponho a culpa nos outros). ‘Foi o alquimista Paul Kuêy que me influenciou.’

Poesia dita, declamada, expõe a composição como trama viva. Poderia nos enviar um áudio de poesia falada, na voz da própria autora?

Se der, eu mando. A poesia moderna não nasceu para declamos(?). Por exemplo: Atirei uma pedra n’água/ de pesada foi ao fundo./ Os peixinhos declamaram: /’Ei, dona carmona, vamo pará co essas pedra aí?’

A escritora é bem sociável, aberta aos editores, aos leitores, colegas e familiares. Inclusive testa, de início, algumas de suas produções solicitando dos mais próximos uma primeira leitura e audição para colher opiniões. Até quando essa prática é recomendável a nós, escritores.

Ouvindo opiniões, xingamentos, elogios, a gente vai lá, cara de cachorro na igreja, e melhora, acrescenta, retira do ar o texto. Afinal, se escrever só para mim, será no hospício ou lendo o maravilhoso livro “O Duplo: um estudo Psicanalítico, de Otto Rank.”. Só os leitores nos dizem o que dissemos e deixamos faltoso sobre as coisas. Drummond diz no texto Mundo Grande:

Não, meu coração não é maior que o mundo.
É muito menor.
Nele não cabem nem as minhas dores.
Por isso gosto tanto de me contar.
Por isso me dispo,
por isso me grito,
por isso frequento os jornais, me exponho cruamente nas livrarias:
preciso de todos.
Sim, meu coração é muito pequeno.
Só agora vejo que nele não cabem os homens.
Os homens estão cá fora, estão na rua.
A rua é enorme. Maior, muito maior do que eu esperava.
Mas também a rua não cabe todos os homens.
A rua é menor que o mundo.
O mundo é grande.
Tu sabes como é grande o mundo.
Conheces os navios que levam petróleo e livros, carne e algodão.
Viste as diferentes cores dos homens,
as diferentes dores dos homens,
sabes como é difícil sofrer tudo isso, amontoar tudo isso
num só peito de homem... sem que ele estale.
 
Fecha os olhos e esquece.
Escuta a água nos vidros,
tão calma, não anuncia nada.
Entretanto escorre nas mãos,
tão calma! Vai inundando tudo...
Renascerão as cidades submersas?
Os homens submersos - voltarão?
Meu coração não sabe.
Estúpido, ridículo e frágil é meu coração.
Só agora descubro
como é triste ignorar certas coisas.
(Na solidão de indivíduo
desaprendi a linguagem
com que homens se comunicam.)
Outrora escutei os anjos,
as sonatas, os poemas, as confissões patéticas.
Nunca escutei voz de gente.
Em verdade sou muito pobre.
Outrora viajei
países imaginários, fáceis de habitar,
ilhas sem problemas, não obstante exaustivas e convocando ao suicídio.
Meus amigos foram às ilhas.
Ilhas perdem o homem.
Entretanto alguns se salvaram e
trouxeram a notícia
de que o mundo, o grande mundo está crescendo todos os dias,
entre o fogo e o amor.
Então, meu coração também pode crescer.
Entre o amor e o fogo,
entre a vida e o fogo,
meu coração cresce dez metros e explode.
- Ó vida futura! Nós te criaremos.


 

O livro merecidamente premiado “Fantasia” (1992) foi escrito para um público cuja faixa-etária é a mais complexa: a adolescência. Uma fase para qual a seleção de textos é mais difícil, exigindo atenção especial. Seu talento nos permitiu uma obra rica e ao mesmo tempo acessível. Comente um pouco sobre a criação, o prêmio, a publicação e a recepção do “Fantasia”.

Quando escrevi o Fantasia, eu estava lendo tudo sobre Isadora Duncan, a bailarina que dançava descalça enquanto perdia os filhos, o marido, o amante, a própria vida. My Life, seu livro, criou o meu. Era setembro, as cigarras faziam um grande barulho na Universidade. Havia um monte de cascas dessas cantatrizes fabulares pelas árvores, pelo chão. Eu via a dança do vento, as flores, estudava música e ouvia Seu Tãozico, meu pai, com os amigos seu Alencar, na flauta de prata; seu Araripe, no violão (ele enchia os bolsos de bicarbonato por causa da dor de estômago); e Helenice cantando soprano meu pai: Ohhhhh! Romeu. Oh, ciúmes dela. Minha mãe cozinhava e a cigarrita jogava os cachos no violino nosso!

Eu lia tanto sobre balé! Conhecia de cor o nome dos dançarinos russos do Bolshoi. Assistia aos espetáculos em BH. Todos. Clássicos e populares.

Dessa balbúrdia que revira eterna mente o meu viver, surgiu aquela obra.

Pena de jacu sem penas! Reatualizei o livro no ano passado, enviei o novo texto à Editora… que mo devolveu porque… porque…porque…

Mais um pouco sobre o “Fantasia”. É uma história cheia de poesia e notório domínio simbólico. E a meu ver expõe como pano de fundo uma ficção especulativa sobre a condição da mulher nas décadas seguintes. A autora, a narradora e os personagens ainda se conversam?

Depois da sua devolução, talvez porque eu não tenha… não tenha … sei não, abandonei-o às traças. Segundo minha loura Laura, professora atual de Órgão, nós, os caracteres melancólicos, somos assim mesmo. Deixamos de acreditar até na vida depois de uma decepção.

Se me perguntarem quem é Dora, a personagem vencedora do Concurso Nacional de Poesia Infantojuvenil da Fundação Nacional de Cultura e da secretaria de Cultura/1992, (memória fraca, Ana?), digo com Sócrates: Só sei que nada sei. Então, leitor, copiei o endereço na Agenda.

Entretanto, nunca desisto de tentar outras coisas: vou participar de um Concurso de Literatura importante em Portugal neste ano 20, ainda que para dançar um Solo Charleston de melindrosa. Se a gente dança na Arte aqui, aprende outro fado acolá.

Sobre “Canção do Asilo”. É uma obra mais ou menos curta, com bom ritmo e impacto. Foi difícil escrevê-lo?

Havia um Asilo de Velhos perto da E.M. Carlos Lacerda, a primeira em que lecionei, indicada pelo meu mentor/diretor Guilherme Lage. Eu acabara de completar o Curso Normal e passara direto no Vestibular da FALE/UFMG. Meus amores, ele e a esposa, indicaram-me para a Escola, no bairro União, ainda no primeiro ano de faculdade.

Ah, ah! Eu era a menina dos olhos dos idosos, ali, porque levava semanalmente cada uma das turmas para conversar, levar bolos, desenhos, roupas, violão, ao seu pobre lar. Saudade tenho daquela traquinagem apoiada pelos diretores David e Leonardo. Aula de Português, professora? Sim, aula de passear no Asilo com teatro no pátio confecção de murais felizes aniversários de cem anos…

E eu vivenciando aquilo de novo, em 2004, na Clínica onde minha mãe terminava seus dias. Se fôramos oponentes ferrenhas na minha adolescência até nos mínimos detalhes, tornamo-nos, em cerca de dois anos, cúmplices de sonhos, devaneios, memorialismos, pesadelos, unhas pintadas, estórias, remédios alzhêimicos (??). Os doentes pulavam salientes quando eu chegava com doces. ‘Aonde vai, monta um circo’, refletiam seríííssmas  as  eficientes enfermeiras (vizinhas).

Assinamos, mãe e filha, definitivamente, o pacto de paz no Hospital Vila da Serra. Ali, perdi/ganhei mamãe, assistida pelo meu fiim médico, Júnio, e pelas manas Valéria e Regina. Rodrigo, também fiutim, morava na Malásia com a familinda, a serviço da Vale. Aquela Vale dos humanos desastres, maltratada pela Imprensa, pelas gentes, pelos políticos, foi/é/será o encanto de meu viver e dos netinhos. Ainda direi por quê. Agora, falem mal do que afirmei, mas falem bem desse nosso Amor pela Empresa.

Tivemos, nesse ínterim, todos os bichos da terra: o cão Jimi Hendrix, o gato João, as vinte hamsters, a rã Weber (Max e…? Não, mãe, ela coaxa WEBER, WEBER, pra mim.), a cadela Chienne (mamãe e seu Francês…) – que trocou o nome por Suzana, quando a doei, pulguenta, ao pedreiro Malaquias. Peixes? Centenas. Havia aquário de parir, de nascer, de não se suicidar, de brigadores matadores assassinos… todos trazidos pela vovó sempre bem-vinda.

Mamãe se foi em 2016, levando um volume do seu Cancioneiro composto em 2005/6. “Esquecer para lembrar”, sussurrou-me Drummond naquela época. Inventei a asilada Benvinda, e dispus – depondo – aos alunos do Carlos Lacerda, Rodrigo, Jimi, CDA (vários deles), peixes, confusão, todos os elementos passados e assados num redemoinho de ideias literárias.

Na primeira edição da obra, prefaciada pela minha nossa magna Ídala Ilza Matias de Sousa, com orelha de BartoloMEU Queirós, foram vendidos dez mil exemplares para o EJA/Ministério da Cultura pela RHJ/BH. Até baile aconteceu.

Hoje, por onde anda a onda/ A onda do livro aonde anda, Bandeira? Esquecer, Drummond, o esquecido para nem lembrá-lo mais.

Nas circunstâncias em que se encontrava a protagonista, o “ponto de virada” só poderia ser sutil e surpreendente. Como bem sugerem a Ilza Matias de Souza no prefácio e o Bartolomeu de Campos Queirós na 4ª capa, histórias que, partindo de realidade concreta, explora(va)m temas de profundidade: morte, vida, memória, solidão. Canção do Asilo sempre acerta(va) na veia dos leitores de perfis variados. Pelo retorno recebido, quem mais comentou sobre o livro, as crianças, os adolescentes, os adultos ou os da melhor idade?

Recebi muitas cartas pelo livro, cumprimentos, até flores da saudade(vasos de bogaris, violetas, sempre-vivas) durante muito tempo. Viajei, dei cursos, palestras em companhia da colega e amiga Bernadete Patrus Ananias. Os cambau! Recebi homenagens do Asilo existente.

Quem quiser conhecê-lo, a Estante Virtual vende barato. E também a Editora RHJ.

PS: Não sou saudosista. ‘Cê e eu somos musicistas, portanto, melancólicas. Só isso. Miriveja só o Mozart, que melancolia! Os Noturnos de Chopin… As fugas de …” – lacrimeja entre risadas loucas a loura Laura, enquanto me esfola os dedos no Minuet 2, de Bach. Difícil, fessora… Ah, se te pego Johann Sebastian Rios, xará de meu pai!

A prova do vermelho? Leitor adora provas, principalmente Mestres. Então, de raiva, faço respostas para criar perguntas:

R: Acabei de contar um punhado de casos alegres nesta entrevista.

Pergunta do leitor:__________________________________________?

R: Descasei-me, mas juro que casarei um fulano de tal que jura ficar   

sozinho até morrer no mato, antes do final do meu atual romance em Roma com a personagem Mara (digam Mária, segundo Bandeira).

Pergunta do leitor:__________________________________________?

R: Conto piadas calvas e cabeludas que nem o meu amigo (fomos amigos)

Ariano Suaçuna. kkk. (Suaçuna vem do tupi. Dddddeve ser escrito com           Ç.- justificou-se o Aurélio). E ele: …mas vem do bisavô Suassuna, sô!

Pergunta do leitor:__________________________________________?

R: ‘Seu lugar é no picadeiro. Daí o nome Graça’ (vizinha). ‘Saudosista sou eu, dos ex-moradores do 202’.

Pergunta do leitor:__________________________________________?

R: Tenho escrito sobre o futuro num nível de duzentas páginas. Verdade.

Pergunta do leitor:__________________________________________?

PUR HOJE É SÓ Puro gesso.

frame retirado do vídeo “Conhecendo a Biblioteca Comunitária Graça Rios”, disponível no youtube.

Nota: as frases em negrito da entrevistada considerem como na cor vermelha.