AINDA O POSITIVISMO NO BRASIL

Ainda o positivismo no Brasil

José_veríssimo

Por José Veríssimo

“O positivismo é, para o Sr. Sílvio Romero, uma coisa perigosa e deve ser combatida com seriedade. Desde que uma doutrina, continua êle, qualquer que ela seja,tornou-se o pão espiritual de algumas centenas de homens, essa doutrina constitui um fator social e um estímulo de ações; essa doutrina distribui alento e entusiasmo, aviventa as fôrças da alma, afirma-se como um incentivo em nome do futuro. E coisas assim tão graves, só podem ser tratadas com severidade e compostura.”

Excelentemente dito, sòmente se pode notar que arrastado pelo seu temperamento batalhador de polemista educado na péssima escola de Tobias Barreto, o Sr. Sílvio Romero não guardou, quanto talvez convinha à elevação do assunto, essa “severidade e compostura”. A sua desculpa seria que o seu livro, como toda a sua obra, é ainda de polêmica. Porque esta é a característica, a dominante do Sr. Sílvio Romero: ser um polemista. Fazendo história ou crítica literária, política ou filosofia, escrevendo ou conversando, apesar da bonomia afetuosa, natural e amável do seu trato, que estão longe de suspeitar os que só por seus livros o conhecem, o Sr. Sílvio Romero é um polemista. E eu direi, sem intenção de lisonjeá-lo, que não conheço entre nós nenhum de mais nervo, de mais valentia, de mais graça – uma graça para que não achamos ainda nome, o produto da chalaça portuguêsa com a pacholice ou a capadoçagem nacional, temperada pela alegria ingênua e fácil que o negro no herdou. Essa graça não admite a ironia. A ironia, como o humour, mais ainda talvez que êle, é estranha à índole brasileira. Uma e outro são entre nós produtos de cultura, resultados de imitação que em certos indivíduos, por disposições especiais de temperamento, podem ter sido assimiladas perfeitamente, completamente, mas que são em todo o caso raros e exóticos.

Livro de polêmica, livro de doutrina, o Evolucionismo e o Positivismo no Brasil distingue-se e recomenda-se pela valentia e brio com que o ilustre escritor dá combate àqueles de quem faz seus adversários ou de quem se faz adversário e, sobretudo, por vulgarizar as críticas que à filosofia de Comte fizeram H. Spencer, Stuart Mill, Huxley e outros. Com efeito é com longas citações dêstes pensadores e cientistas que o Sr. Sílvio Romero principalmente combate os princípios cardeais da construção positivista, a lei dos três estados, a classificação das ciências, a organização sociológica.

Esta falha é comum a todos os nossos críticos filosóficos, a começar por Tobias Barreto, aos quais a carência de estudos originais e da cultura científica indispensável força a reduzir os grandes problemas da filosofia moderna ao contraste entre os diversos pensadores, cujas opiniões soam respectivamente contrapostas, consoante a escolha ou as inclinações e simpatias do crítico. O processo, que tem cabimento no domínio da erudição, não me parece conveniente em se tratando de cogitações filosóficas, e o seu insistente emprêgo pelos que entre nós fazem filosofia ou crítica filosófica, provaria talvez ou a nossa incapacidade para as questões abstratas ou a insuficiência da nossa cultura geral.

Estudos de Literatura Brasileira, 1ª série [1901 a 1907].

contato@pingodeouvido.com.br

O POSITIVISMO NO BRASIL

O POSITIVISMO NO BRASIL

Por José Veríssimo

…No Brasil, e aqui entramos na primeira das causas particulares da influência do positivismo, não se pode dizer haja alguma coisa organizada. Não o estava o próprio Estado, apesar de sessenta anos de monarquia, não o estava como ainda não o está a Igreja, e menos ainda o academicismo, o oficialismo, em suma qualquer dêsses elementos da vida nacional que alhures são um obstáculo à intrusão de certas idéias. Do seio das próprias corporações que por sua mesma essência deviam sustentar o Estado, defender a Igreja, que lhe era conjunta, manter a tradição acadêmica, sustentar o oficialismo, surdiam pregadores da doutrina cujo fim declarado era destruir tudo isso.

A monarquia esfacelada e decomposta, não tendo por si sequer a crença do imperante no regime imbecil, no rigor vernáculo da palavra; a Igreja, impotente, desmoralizada pelo regalismo, sem recursos materiais e morais, que nem clero possuía suficiente para as necessidades rituais; o academicismo, vegetando no egoísmo da vida prática, na inércia do privilégio, livre de estímulos pela segurança da vitaliciedade e pela falta de concorrência, nenhuma hierarquia, nenhuma casta, nenhuma coesão entre essas diferentes moléculas do corpo social, êste era como a matéria mole, excessivamente plástica e dúctil, em que podia trabalhar à vontade quem tivesse uma convicção e um objetivo. Quem fôsse uma organização, conseqüente e forte, acabaria fatalmente por atuar nesse meio sem consistência nem resistência. Foi o que sucedeu ao positivismo aqui.

Fazendo da matemática a primeira pedra do seu alicerce filosófico, a doutrina de Augusto Comte lisonjeava a minoria cujas carreiras profissionais assentavam também sôbre êsse fundamento, e levavam-na envaidecida pela vulgar ilusão de fazermos dos nossos próprios estudos o centro do mundo dos conhecimentos, a considerar o positivismo a única e verdadeira concepção filosófica. Sendo a matemática, segundo conceitua um pensador contemporâneo, a arte de não ver senão um lado das coisas, êsses positivistas, esquecidos das objurgatórias do seu mestre contra o domínio dos geômetras, não viram na doutrina que abraçavam senão o aspecto que lhes seduzia a vaidade profissional.

Como quer que seja, porém, foi mediante a matemática que penetrou a filosofia positiva nas escolas militares, ganhando assim o seu maior número de adeptos e propagadores na corporação que entre nós era talvez a única que tinha tal ou qual organização e mantinha algum espírito de classe. E por uma dessas fenomenais incoerências de que parece temos o privilégio, foi da sementeira do exército que saíram, senão os sacerdotes, os acólitos da doutrina fundamentalmente hostil aos conflitos armados, ao regime militar, aos exércitos permanentes. Com o positivismo entrou o republicanismo, que lavrando no exército apressou a eliminação inevitável prevista, anunciada – até por partidários seus – da monarquia.

O positivismo que até então só tinha por si a convicção, o entusiasmo, a fé, começa a ter a força. É uma minoria, mas forte, unida, disciplinada, hierarquizada, sabendo o que quer e sabendo querer. Em todos os tempos foram tais minorias que governaram, principalmente quando se lhes não antolha nenhuma fôrça organizada que as contraste. Espertos apóstolos – e a mais profunda convicção, mais ardente fanatismo, se aliam perfeitamente com a mais solerte habilidade – os positivistas aumentaram e encareceram a sua influência, mais que a sua influência, a sua ação, no advento e na constituição da República. Uma porção de idéias que já faziam parte do cabedal comum dos espíritos liberais, patrocinadas algumas por sujeitos de ambos os partidos constitucionais ou do republicano democrata, e até por aquêles partidos, como o casamento civil, a separação da igreja do Estado, a federação, o regime presidencial, reclamaram êles como suas, gabando-se de as terem feito vingar.

                                        Estudos de Literatura Brasileira, 1ª série [1901 a 1907].