Graça Rios II – Entrevista “ainda no penhasco…” (mulher, literatura na web, art pop e leituras)

Graça Rios II – Entrevista “ainda no penhasco…”

(mulher, literatura na web, art pop e leituras

Nesta segunda parte do especial literário com a escritora Graça Rios, abordaremos a literatura na web, a feminilidade, a pop art  e algumas reflexões sobre a leitura.

Em 2012, ao inaugurarem o Blog das Belas Coletâneas Ridículas, você e o escritor Etelvaldo Vieira de Melo assinam um excelente manifesto, intitulado Blogu’eus, a respeito da publicação por meio do weblog. Daquele ano para cá como vocês veem a distribuição de literatura na rede mundial e a leitura pelas telas? Costumam pesquisar nos mares da rede sobre literatura contemporânea, buscam por novos autores?

1.Premissa: Toda semana, recebo urge rugindo a mensagem: ‘KD o texto para sábado? Etelvaldo.’. Às vezes, até em Inglês, por causa do aperto na UFMG, possuo alguma prosa pronta; noutras, opto pela crítica cinematográfica. Conforme afirmei, leio tudo que posso sobre o filme visto vivamente vivo. Por exemplo, procuro do excelente ‘O Insulto’: diretor, astros, ficha técnica, comentários, prêmios. Daí, associo essa pesquisa à mitologia grega ou romana. Se fosse agora, teria ligado Parasita ao drama real de terror Corona Vírus, sob o prisma de estar tudo parado. E escrevo: ‘-Não vale mandar de volta.’ E pur si muove o texto, renegando a possível visão heliocêntrica do mundo perante o tribunal da Inquisição dele e do leitor.

Espero passarem-se dez e meio quartos de luas. Pergunto: Fomos condenados? E o IBOPE: Quanto?

Ele: -De sempre! ou: Na semana passada foi ruim, mas hoje tá um dia bão.

Temos 60% cliques na Europa. 30 %, na América. 5%, na Grécia.

– E no Brazil ou Brasil? – 2% dos amigos comentaram se…

Se a expressão tiver uma conotação hodierna, permita-me gritar: ‘- Teco-Teco, eu fico enfezada pqp com isso, orra!’. Mas o amigo é mansinho: ‘No exterior, o povo traduz bem o que escrevemos.’

Sábado seguinte, mando um poema: – Etel, será que na Cochichina entenderão minhas metáforas, enjambements, jogos de linguagem, tema? Ele– Elogiam muito os comentários futebolísticos do Ivani, Mariinha! Hão de a Voz entender-Vos também. (Eu sou a Mariinha).

PS: Ivani, esse o leitor já viu e adorou. É o jornalista, terceiro sócio da nossa dupla.

2. Tese: As bolas graciosas e tico-ticas caem bem nos cestos estrangeiros, mas brasileiro gosta mesmo é do goleiro Ivani. (Vide wwwbbcrblogspot.com)

Em termos de acessibilidade o texto na tela facilitaria a distribuição em rede e o alcance dos leitores. Era o que muitos profissionais esperavam, há quase uma década e meia, quando da chegada dos simuladores virtuais de livros e revistas. Na sua percepção, isso aconteceu? Ou está acontecendo?

A tecnologia é um fator de desenvolvimento universal. Não é ruim PARA O LEITOR AMBIENTADO COM ELA, E BOM CONHECEDOR DO QUE HÁ DE QUALIDADE PARA SER LIDO, mas nada substitui os volumes encapados e a cores, letra digitada, anotações, papel sedoso, da Coleção Temas da Arte Contemporânea, de Katia Canton ou O Café Filosófico, organizado por Markus Figueira da Silva em Natal, pela Editora da UFRN, para jovens vestibulandos ou universitários.

Quais os critérios utilizados pela internet para orientar o trabalho formidável de Machado de Assis? Que eu saiba, nenhum.

Ítalo Moriconi diz que a literatura de pensamento e sentimento, isto é, as belas letras da expressão humana devem ser guardados na memória e nos acervos. Você tem o seu acervo digital particular de arquivos? Tem uma lista de links para navegação constante? Na sua opinião, as vantagens das bibliotecas virtuais e digitais compensam suas respectivas desvantagens?

Há um filme, Fahrenheit 451, de Ray Bradbury, que concedeu a Moriconi dez mil orgasmos múltiplos, com certeza. (Perverso! Orgasmo não é apenas sexual, bobão!)

Queimados por proibição governamental todos os livros de uma cidade, o bombeiro Montag e a vizinha Clarisse reúnem escondido um grupo sem função de intelectuais, e cada um memoriza um livro famoso no acervo cerebral. Daí pra frente, veja a película, ora, ora.

Tenho recebido mensagens sobre bibliotecas virtuais magníficas à disposição do internauta. KARAOQ ue mané desvantagem? Acho fantástico também pagar apenas dois reais a um site do Word para ler o que imaginar. Vou escrevendo e pesquisando, simultaneamente. (Ai, contei sem querer o meu segredo de gênia geniosa engenhosa). ‘Dilícia’ exulta o dolor lectorem (= leitor esperto). Onde é o site? Aonde ir? Não conto. Desconto, por dez contos, só o latim do Translate Google.

Não me referi, lógico, a quem põe em segundo lugar o livro de papel, seu saboroso olor verde, seu colírio para os amados olhos. Em outras palavras, aos vagabundos, trapaceiros, vigaristas, preguiçosos, embusteiros, tapeadores, golpistas, desonestos e… que só leem… isso mesmo que o leitor pescou. Guardo artigos, dissertações, poemas, coisas boas, no pen drive, dentro de um arquivo de aço. Peço a alguém de confiança que guarde capítulos de livros que parei de fazer, desde que um antigo psiquiatra me alertou pelo telefone para o fato de eu ter deixado a cabeça no consultório fazia quinze dias.

O mesmo Ítalo Moriconi no capítulo O pop e o após do livro Como e porque ler a poesia brasileira do século XX diz que “na cultura pop (inteligente) o mundo da diversão e o mundo da arte séria se reaproximam”. Muitos artistas tais como Ana C. César e Torquato Neto, sobretudo poetas-letristas trabalharam e ainda trabalham a popificação da literatura tornando-a mais acessível. Fale-nos de sua postura ao explorar os temas e as linguagens da pop art.

Pois eu não estou chateando você aqui com a pop Literatura? Nada mais sério que um escritor brincando. Quem quiser letra dura, econômica, vacinada pra quarqué virusinho ou virusão lav®ado em ducha corona, passa na Biblioteca, pega uma obra Parnasiana, das Academias Barrocas ou das Academias em Geral.

Se desconsiderar o pessoal marginal que procura um estilo diferente, a rebelião contra as Grandes Editoras e seus asseclas, como Cacaso, Ana Cristina, Leminski, os irmãos Augusto e Haroldo de Campos, nos anos setenta, os novos da pós-modernidade; se os desconsiderar, o Brasil cultua o princípio, meio e fim feliz dos romances açucarados. Os escolásticos imperam na Didática. Escolas têm horror a escritor ousado, demolidor do edifício de concreto armado Romântico. Porque não estudam, não se aprofundam na paixão e na técnica do pós-tudo, fornecem aos jovens os sonetos rimados, melosos, os versos de autoajuda. Caiu o muro de Berlim, porém o estudante brasileiro está do lado velho da Literatura. Desconhece Fernando Pessoa, Pirandello, Deleuze. E mais… E mais… Encantam-se com o padrão, com a norma culta e opressiva da Gramática em cima das escrituras. (Felizmente) leem quadrinhos, conhecem Ziraldo, Ana Maria Machado, Fernando Vilela, Daniel Mundukuru, Maurício de Sousa, …

Eu gosto de descobrir o exótico, acreditar na capacidade leitural, na inteligência da garotada. Os editores, exceto um ou dois, publicam textos imbecis e lhes repugnam os bem elaborados, pois querem vender, ganhar dinheiro e obedecer à política dos pobres de ideias e imaginação. Devolveram-me A Hora do Gol, pois adolescente não conhece futebol no meu estilo. Ah, ah, ah! Vingar-me-hei, podem temer.

Qualquer um tem medo de Virgínia Woolf, quando vê o destempero criativo mil anos-luz à frente em termos de ironia do poema seguinte, escrito no século passado. Afinal, os bons textos não têm pés quebrados: têm asas, certo, Emílio de Menezes? Ei-lo:

A Uma Deusa (O Quelso)

Luís Lisboa (maranhense)

Tu és o quelso do pental ganírio
Saltando as rimpas do fermim calério,
Carpindo as taipas do furor salírio
Nos rúbios calos do pijom sidério.

És o bartólío do bocal empírio
Que ruge e passa no festim sitério,
Em ticoteios de partano estírio,
Rompendo as gâmbias do hortomogenério.

Teus lindos olhos que têm barlacantes
São camençúrias que carquejam lantes
Nas duras pélias do pegal balônio.

São carmentórios de um carce metálio,

lúrias peles em que pulsa obálio
Em vertimbáceas do pental perônio.

Barlacantes carmentórios

Pulsa obálio gâmbias lúrias
Do pijom és o bartólio
Carquejantes camençúrias.

 A boa literatura pop… as nossas excelentes canções com letras inteligentes, podemos considerá-las como poesia culta?

Trovadores – aqueles que escreviam a letra da cantiga. Jograis – pessoas que tinham como função declamar poesia ,se deslocando de festa em festa, de sarau em sarau para declamar. Segréis – fidalgos que iam de corte em corte para disseminar arte e literatura, e podiam compor também, como os trovadores.Trovadores e segréis cantavam nos palácios ou nos feudos, acompanhados de flautas reta, transversal, cornamusa, viola de arco.

Tomei nota do exposto acima para mostrar a quem me lê as características da poesia medieval. Os cantores populares ouviam as lavadeiras entoar lindas canções nos rios. A partir desse leitmotif, ganhavam a vida tocando instrumentos e reelaborando o escutado. Seria o que hoje denominamos SIMULACRO?

Conheço um compositor Cristiamamos (Cris) ou um segrel/menestrel/trovador? Pop, pop, que nem nóis semo. Escuto-o cantar, ouço sua mãe assobiar, enquanto a esposa Rita tece (tessitura, tecido, texto) e me questiono Onde está a Margarita, olê, olê, olá? Ele também cola uns trecos esquisitos, põe uns pensamentos abalroados barrocos, uns cri-cris de sapassagrilofantes no entoo.

Em incerta feita, perguntei se aquilo era Debussy. Claude-Achille Debussy foi um músico e compositor francês. A sua música inovadora  agiu como um fenômeno catalisador de diversos movimentos musicais em outros países. Ele achou Graça na comparação. De verdade: Wagner, Debussy, Ravel, me causaram uma espécie de agonia há uns anos atrás. Custei a engolir o Bolero. Mas fui a um concerto contemporâneo de música feita em fundo de mina. Que Minas Gerais, sô? Tô falando de mina d’água lá embaixo, com pedra batendo em galho, vento sussurruPIANDO vrum VRUUUUM   FFFFFFFFFiiiiii, cascalho rolando na plateia, BAT BATTT, plamplam, impressão de estar no oco do toco do choco dos crocodilos, um Orror! Desculpe-me. Herrar é umano! Jogaram laser em torno das poltronas.

  1. Laser, abreviação em inglês de “Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation” que significa Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação é um dispositivo que cria e amplifica um intenso feixe de luz monocromático (contém exatamente uma cor ou comprimento de onda), coerente (a luz liberada é organizada e bem definida) e colimado (propaga-secomoumfeixe) Dicionário Google

Aí, endoidei memo.

Nunca vira aquela balbúrdia interplanetária subterrânea terrânea à minha volta. Paganini, dizem, era um virtuose do violino que tocava em cima dos túmulos no cemitério. Meu pai só não subia nos túmulos, mas virava um pagão do violão em cima da cama limpa e passada a ferro de brasa de minha mãe. Espere, leitor, que vai entender a mess (Mess= bagunça, ing.) organizada.

Aí, o laser, os treco caindo do teto em forma de imagens, a água, a gritaria nossa, aquilo me enlouqueceu de luxúria, vaidade, gula, setenta pecados capitais de prazer e gozo. Jamais tive algo assim: precisão de camisa de força.

Agora, dou um espaço pra não confundir os cabeludos.

Chegando em casa, contei a Sebastian Bach Rios a minha efusão confusa e deslumbrosa. Ele se fechou comigo no quarto, pegou o violino:

– Filha, temos de trancar a cela com a cancela, senão vamo de braço dado pro manicômio. Sua mãe chama os psicô e isso vira um kokô. Espaço.

Pegou a caneta e começou a compor em notas filhas da pauta o que eu cochichava.

O que eu cochichava? Você me jogaria rolling stones (pedras rolando, ingl.).

Pasme-se! Era a boa literatura pop…as nossas excelentes canções com letras inteligentes, consideradas só por nós ambos, pai e filha amantíssimos (da Arte), a poesia mais culta do mundo. Eu só a interpretarei algum dia em cima do meu próprio caixão. Sozinha, em solo comigo e meu papá.

Sabemos que uma grande quantidade de tarefas e responsabilidades quotidianas recaem sobre a mulher: realização, supervisão e/ou governança de inúmeras tarefas do lar e da família. Como a escritora se arranja com vistas a obter liberdade doméstica e tempo para criar?

Criar, tocar Órgão, fazer o Avançado de Inglês na UFMG, ser a síndica mais cínica do Edifício Amaralina, fazer Pilates, ir à psicóloga, ir ao consultório da minha Gnana botoqueira pra arrumar a cara, ficar com os netos no domingo, pôr freio na Rose, minha empregada que me freia, ler, comer, quase dormir… e tomar o comprimidinho. Quando começo a ficar muito MUITO e palhaça D+, a Rose fala: – Esqueceu o comprimidinho, melancólica? E MO enfia goela abaixo. Assim, fico calminha, domesticada e recreativa.

Com base na sua experiência, quais seriam as diferenças essenciais entre a mulher escritora atrelada 100% aos “velhos papéis” com a mulher escritora independente de hoje?

A atrelada usa antolhos (viseira para onagros) na leitura do mundo e da letra.

Escrevi um texto para os alunos cegos, chamado ANTOLHOS, com a independência literária e a birutice de sempre. Enviei-o para uma amiga boa de bolo de chuchu no exterior, e ela quis enviar dinheiro para o cego que, na crônica, iria operar o globo (ocular) para voltar a ver as florestas, o ouro, o céu, as nuvens brancas de antes.

A boa de cama e ruim de livro leu a história 100% nos ‘velhos papéis’. Certamente, cozinhando passando lavando roupa encerando o chão lavando o banheiro e lendo….

Sempre meia bandida, meia fada, meia Medusa, pedi que pusesse a quantia em minha conta bancária para os gastos com a cirurgia malvada como o Cão.

Depois, escrevi, inteira/mente safada, que o cego, minha filha, é uma figura de linguagem. Por Deus, entenda que representava metaforicamente o brasileiro. Ele, eu, tu, não enxerga a realidade política, social, econômica em que vive e, se bem operado, pode ver.

Quem manda eu gostar de contemplar mirar observar espreitar considerar bispar almejar as coisas com os olhos da Pequena Príncipa exuperyda:

Só vemos bem com olho vivo. Vários olhos. Olho clínico. Olho nu. Olho-de-peixe. Olho-de-gato. Perder de vista. O resto essencial é invisível para… quem usa antolhos na cara.

Vejamos o seguinte trecho: “a mulher escritora é como um jardim: respira cercada pelo mundo dos homens, e o enxerga em outras cores, carregada de todo um universo de sutilezas ainda ignoradas – mas vivas.” (sobre Virginia Woolf em O Status intelectual da mulher, editora Paz e Terra, 1996). O que Graça Rios pode nos contar sobre sua experiência intelectual sob e sobre o olhar masculino?

Vinicius d’Imorais, aquele machista metido a vítima, vivia comparando a mulher com objetos: a linda lua, um jardim, uma rosa, um pássaro… Cara misógino, bandoleiro mulherengo naquele Soneto da Infidelidade.

Um cego do Braille prometeu-me um disco do sofista marciano. Respondi: Seja, pois, um disco voador, para atravessar as galáxias e ser quebrado pelas serafinas.

Mulher é mulher de carne e osso, seu viniciado na pinga. Mulher é gente, não é diferente. Detesto quem acha que homem é homem; e mulher, lobisomem.

Desculpe-me, leitor, mas sei ler por além das linhas a poesia do velho Vinil, com a Psicanálise da Professora do Mestrado Ruth Silviano Brandão, sob o olhar capcioso da Lúcia Castello Branco. E tem muita demoiselle suspirando por aquela b-o-s-t-a fraca.

Ali, a mulher vale tanto quanto o pé quebrado das estrofes.

Faltou o ghost-writer acrescentar: ‘respira pelo próprio nariz no mundo dos homens e das mulheres. Escreve caminhando leve e solta.’. Veja só, amizade, se aguento carregar o universo! Virei guindaste super-sônico? Só se for o universo dos filhos e netos, nove meses na barriga. Já me bastam os Rios.

Cercada e carregada, só se for pra cadeia, depois de matar na Paz da Terra, o sutil ignorante que falou essas asneiras porcas dela, a Virgínia, fã, entretanto invejosa da minha Katherine Mansfield. Se ainda estivesse vivo…. Sei lá…1966. Deixa pra lá.

O olhar masculino há de ver graça, garça e raça e rios e riso nas minhas experiências intelectuais, morais, cerebrais. Gatona enxuta, ainda! Perigosa, embora.

Se me achar um jardim abafado pelo que ignoro e as tais sutilezas, esse crítico há de enxergar tudo em cores roxas – onde estiver.

Com ‘Licença Poética’ de Adélia Prado, em Divinópolis, perto de onde nasci, ‘Inauguro linhagens, fundo reinos. / Mulher é desdobrável. Eu sou.’

 Thank you, AP.  Merci beaucoup.

Sobre leitura e audição de histórias. A escritora adquiriu muita experiência trabalhando com estímulo e elevação do nível de leitura das pessoas, seja em programas culturais e projetos editoriais, seja no sistema de ensino público e privado, como professora. Penso, a população em geral compreende bem as linguagens simbólicas das telenovelas, dos filmes, dos seriados e da publicidade. Mas por que, então, demonstra certa resistência em ler histórias de ficção e poesia? Por que não aprecia ouvir histórias contadas por pessoas mais experientes e maduras?

It all depends on the counter. Escrevi em inglês para criar suspense no que vou narrar. Tenho uma conhecida que me indagou: – Graça, a professora da minha neta de nove anos pede o reconto de um livro todo mês. A menina enjoou de tanto recontar os autores… que até são bons. O que faço com ela?

Fiquei confusa: com a neta ou com a professora? Claro que a pê da goga é uma carrasca infernal. Faz a criança odiar a leitura, a escrita, o livro, o autor. Existem centenas de atividades incríveis com a leitura. Teatralização, entrevista com o autor (se falecido, um grupo estabelece as questões; outro, responde como se fosse, por exemplo, Alaíde Lisboa); mural com retratos, poesias, recortes de jornais, redações, desenhos de artistas da classe; poesias; jogral com as filas de carteiras; charadas sobre a obra; construção das personagens na aula de Artes; concursos;  debates; filmagens; danças e músicas inventadas pelos grupos, bandas na aula de Música ou Artes; fantoches; documentários do livro ou do autor; visita à Editora com diálogos locais preparados antes;  convite ao escritor para uma conversa na escola ou na sala… E vai, vem, vai, o trem da leitura, do conto, da história vai parar no Paraná, Nordeste, Minas, Além-mar.

Trabalhei com Antonieta A. Cunha na BIJBH. As crianças e nós, adultos, caíamos todos os nove queixos (cinco de cada um) nos Concursos de Contação de Histórias. Em BH há minas de ouro, prata, diamante, em termos de grandes contadores . Citarei alguns, entre os mil conhecidos (perdão, por não citá-los): Deborah Michelin, Sandra Lane, Pierre André, Beatriz Myrrha, Ana Raquel Coelho, Trupe Maria Farinha, Alessandra Visentin, Samuel Medina, Rosana Mont’Alverne. Ligue para eles: na BIJBH certamente haverá os endereços.

Você conviveu com a Maria Luiza Ramos (Fale-UFMG), um outro talento exemplar que nos legou iluminadas formas de pensar a leitura. Ela nos avisa em relação aos “círculos do livro” e “pactos de leitura”, fenômenos que encurtam o repertório de quem lê. Maria Luiza idealizou um leitor versátil, paradoxal, capaz de escapar das camisas-de-força, superar os demasiados enviesamentos (cortes transversais), libertando-se dos mecanismos de controle do imaginário. Mas hoje os movimentos editoriais assumem explicitamente seus vieses e os leitores estão encarcerados em suas preferências. Há como pensar uma pedagogia que ajude a criar/sugerir o leitor ideal de Maria Luiza Ramos?

Maria Luiza, surpreendente intelectual, minha querida amiga e professora, tinha o seu ‘Leitor Ideal’. Certa vez, discutimos sobre isso. O que é o Leitor Ideal? Cada autor, professor, filósofo, crítico literário tem uma ideia diferente a respeito do que isso significa.

Pense comigo: O que é o Leitor Ideal na tecnologia? Qual o Leitor Ideal na leitura do mundo (hoje, não se considera leitura apenas do grafo, a letra. Lemos tudo o que existe, o tempo todo: a face do amigo, o quadro de Renoir, o sistema de governo, a pessoa que nos fala sobre algo – quer me fazer de boba? Me vender isso aí? Está mentindo? – o ambiente, o céu, a tampinha de cerveja no passeio – Quem a comprou? Sabe que essa marca faz mal? Não vê televisão. Bebeu até perdê-la? Porco! A lixeira logo ali!

‘O ato de ver só se manifesta ao abrir-se em dois, ou seja, o que vemos vive em nossos olhos pelo que nos olha. Partindo desse paradoxo, o historiador da arte francês Didi-Huberman compõe um ensaio que se aprofunda nas questões da arte, da estética e da interpretação contemporâneas.’ (Didi Huberman: O que  vemos, o que nos olha. Trad. Paulo Neves, 1998 – 1ª edição, 2010 – 2ª edição. Editora 34).

Citei o Didi, primeiro porque me fascina; segundo, porque nos ensina que olhamos os objetos. E os objetos nos olham também. Aprendi que o sofá me vê e chama: ‘ – Venha descansar, mulher. Assente-se em mim. Traga os objetos, ponha em cima do meu vizinho.’. E a luz, brilhando de alegria: ‘- Prefere que eu fique assim, ou estou forte demais para você? Acenda a minha colega do corredor. Fica mais claro.’.

Serei eu, a Bolinha (meu irmão me chama assim) , a leitora ideal de meu pobre texto? Então, alguém será? Fale mal, mas…

O político se acha o Leitor Ideal da Constituição. O psiquiatra se julga o Leitor Ideal do analisando.

O marido se acha o Leitor Ideal da mulher, dos filhos, dos cachorros, dos cambau. O leitor deste texto se acha o Leitor Ideal da minha trapaça de sapiência sobre ele até aqui, mas a leitora tia/avó/irmã do meu leitor acha que ele é o rato besta que engoliu o queijo da minha ratoeira.

Neste tempo de Corona Vírus eu sou a Leitora Ideal dos safados dos Fake News? Da China gananciosa? Da Rússia? Da Coreia? O João das Couves disse que leu nisso uma arma biológica.

Maria Luiza viveu ainda na esperança da liberdade leitural. Dos pactos de leitura que Silviano Santiago descreve e descrê n’ As Malhas da Letra. Que pactos? De que leituras? De que estranhos mecanismos na telealdeia de McLuhan, já sem identidade privada. Sempre gostei das perguntas, porque cada um tem uma resposta geralmente errada para elas. O que acha disso, você, que não se acha o ‘José’ de Carlos Drummond de Andrade? Feliz é o peixe: conTudo, nada, nada… Quem falou isso? Em terra de olho quem tem um cego…Errei!

                                               Graça Rios, 23/03/2020 às 03:15h

Av. Afonso Pena, por Charles Torres