Uma poetisa no penhasco da capital

UMA POETISA NO PENHASCO DA CAPITAL – Entrevista especial com a escritora Graça Rios

Vencedora de vários concursos literários, como o João de Barro, Nacional de Literatura Infanto-Juvenil de Brasília, Poesia no ônibus, entre outros; às vezes feroz ao defender sua postura e sua livre expressão; noutras vezes delicada em contemplar a natureza, a humanidade e as artes. Personalidade homenageada por sua generosidade e empenho no incentivo à leitura, tem o nome identificando uma biblioteca comunitária na zona norte de Belo Horizonte.

Poetisa, prosadora, trocadilhista e brincalhona, trata-se de singular representante de nossa literatura feminina contemporânea.

Mulher que a um só tempo/lugar voa alto sem perder de vista o ninho. Intertextualiza-se com Ana Cristina César, Sylvia Plath e outros tantos autores nacionais e estrangeiros. Experiente na vida e nas letras, perspicaz nas relações humanas e suspicaz nas sociais, mantém-se ativa na criação literária, no estudo de idiomas e de música. Desde 2012 escreve para o blog BBCR (Blog das Belas Coletâneas Ridículas). Tudo isso sem deixar de arrumar um tempinho para a família, a vizinhança e os amigos. Neste mês de março de 2020, temos a honra de realizar uma especial entrevista com a professora, a escritora, a cidadã, artista versátil e poetisa Maria da Graça Rios. Desejamos que os corações se abram a esse convite destinado a todos.

Sinta-se à vontade, inicialmente, para se apresentar à nossa rede de apreciadores internautas. De onde veio, por onde passou, onde está e para onde vai Graça Rios?

Eis aí quatro perguntas profusamente metafísicas para as quais nenhum mortal teria respostas. Peninha de peixe e rato! (risos). Tornando-as terrenas, acessíveis, sou de Carmo da Mata/MG, casei-me, divorciei-me, morei em Lavras e Vespasiano. Vim para Belo Horizonte aos dez anos, onde cursei o ensino básico, médio, superior. Fiz Mestrado e todos os créditos do Doutorado na UFMG. Sniff! Sniff! Lecionei Português e Francês no Estado e na Prefeitura local e no interior. Finalmente, fui aprovada no Concurso para Professor(a) de Nível Superior da UFMG, lotada e aposentada no Centro Pedagógico. Atualmente, continuo (e morrerei) ali, aprovada para o Nível C1, primeiro Avançado de Inglês/2020. Caso escritora, ganhei muitos prêmios, viajei o que dinheiro (mais o dos filhos) me possibilitou, com especialização na Área de Português nos Açores. Continuarei! buscando! entender! tocando! a grandiosidade enigmática da Música, o que faço desde adolescente com meu papai, Maestro violinista Sebastião Rios. À última pergunta, eu, sem graça, respondo perguntando: -Poderei ainda acreditar que vá escrever algo razoavelmente bem/mal?

Só sei que netinhos e filhos são minha glória artística. Se for, talvez  perdão  quiçá – ora, ora, cristão! – (onde vai GR?), para o céu, ficarei sempre nas alturas, astrolando esse fato.

Desde quando resolveu tornar-se artista? E como aconteceu a escolha pela arte da palavra?

Minha vizinha diz ao mundo que ‘seu verdadeiro lugar é no picadeiro, ô paiaça. Por isso tem nome de Graça.’.

Serious now. O padre de CM (onde nasci) me buscava em casa aos seis anos para recitar poesia no meguenormefone da torre da Igreja, mil vezes maior que aquela/esta triste figurinha. A cidade toda me ouvia cheirando e comendo “A Flor do Maracujá”, de Catulo da Paixão (por mim, tadim!) Cearense.

Em BH, aos dez, o Grupo Escolar SB, solene, me premiou com um sabonete, uma pasta dental (‘dentifrício’), e uma fitinha verde-amarela, por ter comentado bonito o Hino Nacional antes do Bolsonaro. Eu andava pelas ruas num T: esticava os braços pra Capital saber que nas Letras eu era um Tesão. Daí pra frente, estudei D+ da conta, e escrevo o alfabeto até no banheiro, publicando o primeiro livro num Concurso da Bienal. Ah, ah! A Menção Honrosa seria a edição do Chuva Choveu   pela Editora Miguilim, via minha musa Antonieta Antunes Cunha.

PS: A medalha de ouro do Concurso Brasil/Portugal foi conquistada com   o poema Açor Emigrante, redigido a lápis crayon num rolo de papel higiênico, comigo ou sem migo assentada no tampo do vaso. A Ilha Terceira havia sido devastada por um sismo marítimo, e o meu coração explodiu.

Muitos de seus textos nos exigem prévios conhecimentos literários, contato com outros autores. Há uma fartura de intertextualidades, citações, recriações, paráfrases, expressões do francês e do inglês etc. Fale-nos sobre suas buscas por influências, sua abertura às diversas estéticas e estilos.

Preciso muito da pesquisa para escrever. Manuel Bandeira renega quem vasculha o vocábulo no dicionário em ‘Poética”, mas eu quero saber tudo sobre vento, pé de vento, ventos alísios, willy-willy, vendaval, se falo do tufão. Também detesto o lirismo comedido, funcionário público, mas adoro discutir com o Aurélio qual palavra fica boa num verso ou diversos. No mais, colo uma lata do Andy Warhol, um abridor de amanhecer do M. de Barros, um versinho de Virgílio (Libertas quae…), um risco/arrisco/rabisco num livro com nome de outro livro ou capítulo de algo que apreciei e ‘vão lendo vão lendo’ (ACC). Sou muito pop e papuda, embora me julguem kkk também erudita. Bolas!

(Risos). Sabemos que tem realizado algumas experimentações poéticas com dois ou três idiomas intercalando-se durante a narrativa. Possui textos escritos exclusivamente em francês ou inglês? Pretenderia publicá-los?

Não escrevi nada exclusivamente em língua estrangeira. Gosto da Flor do Lácio/Inculta e bela. Porém, com ajuda do Translate Image, misturo alemão com aramaico com turco e Venunês. Tenho um livro escondido porque louco, inédito porque ninguém o editaria, mesmo sendo polissêmico, poliglota, polichinelo, polipólen, polip(l)uto. Chama-seVertigem Babélica.

Como considera os simbolistas brasileiros em relação aos portugueses e franceses? E quanto ao Movimento Modernista, o que dele mais incide sobre seus escritos, tanto em prosa quanto em verso?

Amo Baudelaire, Verlaine, Rimbaud, Mallarmé; mas minha sexy obsessão provém do ósculo ardente, alucinado de Camilo Pessanha. Eis o Segredo dessa alma e meu degredo. Ana Cristina Cesar é o navio que ancoro no ar; a tradução dos meus sete sentidos; a invenção de minha música em poesia de teclas desesperadas. Katherine Mansfield, ela, não reconto meu conto Bliss secreto de quando não defendi a tese de Doutorado porque me esqueci de fazer a rematrícula. Atordoamentos pós-tudo.

Ana e Katherine deixemos para as longas conferências que virão em breve. Alfhonsus, Dos Anjos e o Cruz e Sousa ficariam em que lugar na estante?

O Simbolismo de Cruz e Sousa dos trechos fugidios, cheios de buracos, chiaroscuros, questionamentos, dissoluções, agradava a turma do EJA, através dos excelentes professores.

O eclético e o contrastante se manifestam fortemente em muitos artistas mineiros. Há quem diga que tais características se devem ao nosso acidentado relevo e herança barroca, somando-se ao ecletismo do conjunto arquitetônico da capital. Concorda? Sente essas “atávicas” influências em suas expressões?

Quando Aleijadinho perdia a carne e os ossos, suas imagens encontravam a saúde, o esqueleto pétreo, a pele de cetim, carmim e ouro.

Empobrecido, roto, malquisto, enriquecia os santos e os altares com mantos tintos de sangue dos rubis, de brilho dos cristais, de amor pela justiça, paz, união entre os homens.

Deixei para o leitor um trecho menos esquecido (memória fraca, A.C.?) de um artigo que escrevi no Suplemento do Minas Gerais, sob o esplendor da amizade entre mim e o poeta Adão Ventura. O termo Barroco vem de Pérola de superfície irregular (esp.) ou é um processo mnemônico? O mineiro de trem vem dos dois.

Ótimo, ótimo… guardaremos mais esse fiapo de linha memorável sobre amizade e literatura. Estabelece limites formais “de caso pensado” no emprego do poema-prosa ou da poesia-prosaica? O que faz você decidir se vai expor o texto em versos fixos, em versos livres ou em prosa?

Pelo estilo inicial desta entrevista, o leitor já entendeu que eu não gosto de escrever com limites, nem com formas estabelecidas. Há um ditado que diz ‘O caminho a gente faz enquanto anda’. Vinicius adorava o soneto, porque os temas sensuais dele ficavam bem, ali dentro. Os parnasianos também (des)gastaram as formas ‘de caso pensado e impensado’.

Tenho me divertido escrevendo sonetos sem espaços: 14 linhas, geralmente brincantes, de baixo para cima. Também parafraseio ou pasticho os românticos, trocando as luas pelo sol, os dias pelas noites, os abraços por discussões e versa-vice. Literatura é liberdade. E eu luto por todo pássaro que possa tirar da gaiola. Mas, se me der na telha nestas 24 horas da noite do dia 02/03/2020, fazer um soneto de amor, eu o faço por seu gosto de doce de batata doce. Livre, morô?

Hai-Kai Balão, ilustração & arte de Maria Viegas

Hahahah….Ao iniciar o texto rola mesmo aquela indecisão como na hora de se arrumar para sair? Digamos, não sabe ao certo o que veste, o que calça, qual o peso da maquiagem tal e tal…diante de tantas opções? Conte-nos um pouco sobre seu processo pessoal de criação.

Levo dois anos para escrever um livro pequeno (30 páginas). Deixo-o na gaveta durante uns três meses para amadurecer. João Cabral: ‘O que hoje parece flor de prosa/poesia, amanhã ou depois parece fezes’.

Eu escrevo um hai-kai: Oh, que lindo! Que profundidade! Eu sou o Bashô que baxô em mim hoje. Sou fera na seara da (h)era.

Aí, deixo-o de molho no shoyu, enfiado num romance sobre suchi e antofagasta. Depois, num feio dia hibernal, encontro-o. Leio o primeiro verso e penso o quÊ? Que eu ou o Bashô endoidô ou era um spritu rúim que desceu fingindo ser ele. Eta, merreca! Fica mais de molho no shoyu.

(Ponho a culpa nos outros). ‘Foi o alquimista Paul Kuêy que me influenciou.’

Poesia dita, declamada, expõe a composição como trama viva. Poderia nos enviar um áudio de poesia falada, na voz da própria autora?

Se der, eu mando. A poesia moderna não nasceu para declamos(?). Por exemplo: Atirei uma pedra n’água/ de pesada foi ao fundo./ Os peixinhos declamaram: /’Ei, dona carmona, vamo pará co essas pedra aí?’

A escritora é bem sociável, aberta aos editores, aos leitores, colegas e familiares. Inclusive testa, de início, algumas de suas produções solicitando dos mais próximos uma primeira leitura e audição para colher opiniões. Até quando essa prática é recomendável a nós, escritores.

Ouvindo opiniões, xingamentos, elogios, a gente vai lá, cara de cachorro na igreja, e melhora, acrescenta, retira do ar o texto. Afinal, se escrever só para mim, será no hospício ou lendo o maravilhoso livro “O Duplo: um estudo Psicanalítico, de Otto Rank.”. Só os leitores nos dizem o que dissemos e deixamos faltoso sobre as coisas. Drummond diz no texto Mundo Grande:

Não, meu coração não é maior que o mundo.
É muito menor.
Nele não cabem nem as minhas dores.
Por isso gosto tanto de me contar.
Por isso me dispo,
por isso me grito,
por isso frequento os jornais, me exponho cruamente nas livrarias:
preciso de todos.
Sim, meu coração é muito pequeno.
Só agora vejo que nele não cabem os homens.
Os homens estão cá fora, estão na rua.
A rua é enorme. Maior, muito maior do que eu esperava.
Mas também a rua não cabe todos os homens.
A rua é menor que o mundo.
O mundo é grande.
Tu sabes como é grande o mundo.
Conheces os navios que levam petróleo e livros, carne e algodão.
Viste as diferentes cores dos homens,
as diferentes dores dos homens,
sabes como é difícil sofrer tudo isso, amontoar tudo isso
num só peito de homem... sem que ele estale.
 
Fecha os olhos e esquece.
Escuta a água nos vidros,
tão calma, não anuncia nada.
Entretanto escorre nas mãos,
tão calma! Vai inundando tudo...
Renascerão as cidades submersas?
Os homens submersos - voltarão?
Meu coração não sabe.
Estúpido, ridículo e frágil é meu coração.
Só agora descubro
como é triste ignorar certas coisas.
(Na solidão de indivíduo
desaprendi a linguagem
com que homens se comunicam.)
Outrora escutei os anjos,
as sonatas, os poemas, as confissões patéticas.
Nunca escutei voz de gente.
Em verdade sou muito pobre.
Outrora viajei
países imaginários, fáceis de habitar,
ilhas sem problemas, não obstante exaustivas e convocando ao suicídio.
Meus amigos foram às ilhas.
Ilhas perdem o homem.
Entretanto alguns se salvaram e
trouxeram a notícia
de que o mundo, o grande mundo está crescendo todos os dias,
entre o fogo e o amor.
Então, meu coração também pode crescer.
Entre o amor e o fogo,
entre a vida e o fogo,
meu coração cresce dez metros e explode.
- Ó vida futura! Nós te criaremos.


 

O livro merecidamente premiado “Fantasia” (1992) foi escrito para um público cuja faixa-etária é a mais complexa: a adolescência. Uma fase para qual a seleção de textos é mais difícil, exigindo atenção especial. Seu talento nos permitiu uma obra rica e ao mesmo tempo acessível. Comente um pouco sobre a criação, o prêmio, a publicação e a recepção do “Fantasia”.

Quando escrevi o Fantasia, eu estava lendo tudo sobre Isadora Duncan, a bailarina que dançava descalça enquanto perdia os filhos, o marido, o amante, a própria vida. My Life, seu livro, criou o meu. Era setembro, as cigarras faziam um grande barulho na Universidade. Havia um monte de cascas dessas cantatrizes fabulares pelas árvores, pelo chão. Eu via a dança do vento, as flores, estudava música e ouvia Seu Tãozico, meu pai, com os amigos seu Alencar, na flauta de prata; seu Araripe, no violão (ele enchia os bolsos de bicarbonato por causa da dor de estômago); e Helenice cantando soprano meu pai: Ohhhhh! Romeu. Oh, ciúmes dela. Minha mãe cozinhava e a cigarrita jogava os cachos no violino nosso!

Eu lia tanto sobre balé! Conhecia de cor o nome dos dançarinos russos do Bolshoi. Assistia aos espetáculos em BH. Todos. Clássicos e populares.

Dessa balbúrdia que revira eterna mente o meu viver, surgiu aquela obra.

Pena de jacu sem penas! Reatualizei o livro no ano passado, enviei o novo texto à Editora… que mo devolveu porque… porque…porque…

Mais um pouco sobre o “Fantasia”. É uma história cheia de poesia e notório domínio simbólico. E a meu ver expõe como pano de fundo uma ficção especulativa sobre a condição da mulher nas décadas seguintes. A autora, a narradora e os personagens ainda se conversam?

Depois da sua devolução, talvez porque eu não tenha… não tenha … sei não, abandonei-o às traças. Segundo minha loura Laura, professora atual de Órgão, nós, os caracteres melancólicos, somos assim mesmo. Deixamos de acreditar até na vida depois de uma decepção.

Se me perguntarem quem é Dora, a personagem vencedora do Concurso Nacional de Poesia Infantojuvenil da Fundação Nacional de Cultura e da secretaria de Cultura/1992, (memória fraca, Ana?), digo com Sócrates: Só sei que nada sei. Então, leitor, copiei o endereço na Agenda.

Entretanto, nunca desisto de tentar outras coisas: vou participar de um Concurso de Literatura importante em Portugal neste ano 20, ainda que para dançar um Solo Charleston de melindrosa. Se a gente dança na Arte aqui, aprende outro fado acolá.

Sobre “Canção do Asilo”. É uma obra mais ou menos curta, com bom ritmo e impacto. Foi difícil escrevê-lo?

Havia um Asilo de Velhos perto da E.M. Carlos Lacerda, a primeira em que lecionei, indicada pelo meu mentor/diretor Guilherme Lage. Eu acabara de completar o Curso Normal e passara direto no Vestibular da FALE/UFMG. Meus amores, ele e a esposa, indicaram-me para a Escola, no bairro União, ainda no primeiro ano de faculdade.

Ah, ah! Eu era a menina dos olhos dos idosos, ali, porque levava semanalmente cada uma das turmas para conversar, levar bolos, desenhos, roupas, violão, ao seu pobre lar. Saudade tenho daquela traquinagem apoiada pelos diretores David e Leonardo. Aula de Português, professora? Sim, aula de passear no Asilo com teatro no pátio confecção de murais felizes aniversários de cem anos…

E eu vivenciando aquilo de novo, em 2004, na Clínica onde minha mãe terminava seus dias. Se fôramos oponentes ferrenhas na minha adolescência até nos mínimos detalhes, tornamo-nos, em cerca de dois anos, cúmplices de sonhos, devaneios, memorialismos, pesadelos, unhas pintadas, estórias, remédios alzhêimicos (??). Os doentes pulavam salientes quando eu chegava com doces. ‘Aonde vai, monta um circo’, refletiam seríííssmas  as  eficientes enfermeiras (vizinhas).

Assinamos, mãe e filha, definitivamente, o pacto de paz no Hospital Vila da Serra. Ali, perdi/ganhei mamãe, assistida pelo meu fiim médico, Júnio, e pelas manas Valéria e Regina. Rodrigo, também fiutim, morava na Malásia com a familinda, a serviço da Vale. Aquela Vale dos humanos desastres, maltratada pela Imprensa, pelas gentes, pelos políticos, foi/é/será o encanto de meu viver e dos netinhos. Ainda direi por quê. Agora, falem mal do que afirmei, mas falem bem desse nosso Amor pela Empresa.

Tivemos, nesse ínterim, todos os bichos da terra: o cão Jimi Hendrix, o gato João, as vinte hamsters, a rã Weber (Max e…? Não, mãe, ela coaxa WEBER, WEBER, pra mim.), a cadela Chienne (mamãe e seu Francês…) – que trocou o nome por Suzana, quando a doei, pulguenta, ao pedreiro Malaquias. Peixes? Centenas. Havia aquário de parir, de nascer, de não se suicidar, de brigadores matadores assassinos… todos trazidos pela vovó sempre bem-vinda.

Mamãe se foi em 2016, levando um volume do seu Cancioneiro composto em 2005/6. “Esquecer para lembrar”, sussurrou-me Drummond naquela época. Inventei a asilada Benvinda, e dispus – depondo – aos alunos do Carlos Lacerda, Rodrigo, Jimi, CDA (vários deles), peixes, confusão, todos os elementos passados e assados num redemoinho de ideias literárias.

Na primeira edição da obra, prefaciada pela minha nossa magna Ídala Ilza Matias de Sousa, com orelha de BartoloMEU Queirós, foram vendidos dez mil exemplares para o EJA/Ministério da Cultura pela RHJ/BH. Até baile aconteceu.

Hoje, por onde anda a onda/ A onda do livro aonde anda, Bandeira? Esquecer, Drummond, o esquecido para nem lembrá-lo mais.

Nas circunstâncias em que se encontrava a protagonista, o “ponto de virada” só poderia ser sutil e surpreendente. Como bem sugerem a Ilza Matias de Souza no prefácio e o Bartolomeu de Campos Queirós na 4ª capa, histórias que, partindo de realidade concreta, explora(va)m temas de profundidade: morte, vida, memória, solidão. Canção do Asilo sempre acerta(va) na veia dos leitores de perfis variados. Pelo retorno recebido, quem mais comentou sobre o livro, as crianças, os adolescentes, os adultos ou os da melhor idade?

Recebi muitas cartas pelo livro, cumprimentos, até flores da saudade(vasos de bogaris, violetas, sempre-vivas) durante muito tempo. Viajei, dei cursos, palestras em companhia da colega e amiga Bernadete Patrus Ananias. Os cambau! Recebi homenagens do Asilo existente.

Quem quiser conhecê-lo, a Estante Virtual vende barato. E também a Editora RHJ.

PS: Não sou saudosista. ‘Cê e eu somos musicistas, portanto, melancólicas. Só isso. Miriveja só o Mozart, que melancolia! Os Noturnos de Chopin… As fugas de …” – lacrimeja entre risadas loucas a loura Laura, enquanto me esfola os dedos no Minuet 2, de Bach. Difícil, fessora… Ah, se te pego Johann Sebastian Rios, xará de meu pai!

A prova do vermelho? Leitor adora provas, principalmente Mestres. Então, de raiva, faço respostas para criar perguntas:

R: Acabei de contar um punhado de casos alegres nesta entrevista.

Pergunta do leitor:__________________________________________?

R: Descasei-me, mas juro que casarei um fulano de tal que jura ficar   

sozinho até morrer no mato, antes do final do meu atual romance em Roma com a personagem Mara (digam Mária, segundo Bandeira).

Pergunta do leitor:__________________________________________?

R: Conto piadas calvas e cabeludas que nem o meu amigo (fomos amigos)

Ariano Suaçuna. kkk. (Suaçuna vem do tupi. Dddddeve ser escrito com           Ç.- justificou-se o Aurélio). E ele: …mas vem do bisavô Suassuna, sô!

Pergunta do leitor:__________________________________________?

R: ‘Seu lugar é no picadeiro. Daí o nome Graça’ (vizinha). ‘Saudosista sou eu, dos ex-moradores do 202’.

Pergunta do leitor:__________________________________________?

R: Tenho escrito sobre o futuro num nível de duzentas páginas. Verdade.

Pergunta do leitor:__________________________________________?

PUR HOJE É SÓ Puro gesso.

frame retirado do vídeo “Conhecendo a Biblioteca Comunitária Graça Rios”, disponível no youtube.

Nota: as frases em negrito da entrevistada considerem como na cor vermelha.