Maracujá, flôr da Paixão

Maracujá, flôr da Paixão

Flor da paixão

Além de sua família, vovó adora também plantas, animais, crianças e poesia. Na verdade, ela adora tudo o que é bonito, ela diz que é “fã da beleza”, seja a beleza material, seja a espiritual. Ela é capaz de ficar horas e horas admirando uma flor, olhando para o céu estrelado ou ouvindo o canto de um pássaro, como é capaz também de chorar de pura emoção ao ouvir contar de um gesto nobre, de um esforço sincero ou de um gesto de amor ou de perdão.

Agora, o que ela gosta mais do que tudo é de escrever, contar estórias, e principalmente, de fazer poesias. Todos os netos já têm uma poesia sua. No fundo do quintal há um grande caramanchão de palha por onde sobe um lindo pé de maracujá. Uma vez, quando ele estava todo em flor, vovó mostrou essa flor, também chamada “flor da Paixão”, é estranha e linda. Ela dá na época da Quaresma, é roxa como a Paixão, e tem todos os símbolos do sofrimento de Cristo: a coroa de espinhos, a cruz, os cravos com que ele foi pregado e a lança que abriu seu lado esquerdo. É uma verdadeira jóia da natureza.

Lá nesse caramanchão, de vez em quando, vovó gosta de reunir os netos e contar-lhes estórias; às vezes são estórias de imaginação e fantasia, com aventuras de fadas e bruxas, outras são estórias verdadeiras, “casos” acontecidos de verdade, que são igualmente interessantes. Aliás, ela diz que a verdade é mais extraordinária que a ficção, que as coisas mais assombrosas e mais incríveis não são tiradas da fantasia e, sim, da realidade…

Maria Alice Penna de Azevedo, “Domingo é dia de folclore”. Introdução. Sobre Vovó Lita. P.6. Editora Paulinas. 1988.

Memórias sobre crises [lambujas

Memórias sobre crises [lambujas

5 CRUZEIRO

Lopes al’Cançado Rocha, o Cristiano

Naquela manhã o bairro acordou cedo e calado. Ouvia-se o canto dos pardais novamente. Nenhum som musical saía pelas janelas. O silêncio e o diálogo contido, geralmente, sinalizam as crises econômicas dum país, a restrição de crédito e, conseqüentemente, de consumo.

Na avenida rufavam pouquíssimos motores de automóveis e motocicletas: o preço do combustível foi aos céus.

Eram tristes até o arrulhar dos pombos, pois o dono da Mercearia 36 passou também a regrar-lhes o milho. Os alcoólatras – de pernas inchadas e feridas nas mucosas, sem reflexos e decadentes – que amanheciam à porta do comércio exclamavam: “acabou o milho, acabou a pipoca”. A sobrevivência já não mais festejava.

A tradição doméstica de bater o bife passou a ser evitada, na época, também para que o vizinho mais necessitado não ouvisse o sinal da carne. A comida tão pouca não se pode dividir entre muitos. Não é tão triste o momento, no entanto, para os que costumam aparentar o luxo e padecer o bucho. Esses, que se fingem de seguros, se fazem de mal-entendidos perante as crises.

Pode-se estimular a modificação dos critérios de bem-estar de uma população ou comunidade. É isso, exatamente, o que fazem os controladores dos meios de comunicação coletiva e os agentes revolucionários, talvez a mando e a pedido de autoridades poderosas. Alguns atuam nesse sentido inocentemente, em busca de fama e reconhecimento.

Lê-se no jornal local (O grito) a seguinte chamada: “…como se alimentar em tempos de crise”; e no caderno Pensar do Jornal Estado de Minas “…pratos ecologicamente corretos e coletivos”. Neste último trata-se dum anúncio de dois livros, espécie de incentivo a “práticas alternativas”: duas moças saem de bicicletas pela cidade à procura de ervas , verduras, plantas comestíveis que brotam naturalmente nos terrenos e lotes baldios. Quem não vê nisso traços de precariedade e escassez? Na Venezuela já se usam o modismo vegetariano para esconder a calamidade e a fome.

Observo que o pobre de ontem já se acostuma com a miséria de hoje; assim o faz o bem-de-vida com a pobreza; e por sua vez, o rico já aceita a condição mediana. Um homem outro dia ajoelhou humilhantemente no corredor do ônibus para disputar as tão concorridas esmolas.

Trago na memória essas tais condições e, além, é claro, de consultar livros, revistas , jornais, sites confiáveis e gravar as boas conversas “sobre aqueles tempos de crises”.

(…)

Só agora sai de minha memória para o papel os divertidos sábados da feirinha da Av. Joaquim Lourenço de Oliveira, onde fixavam barracas à altura do número 518, em frente da E.E Jacinta Enéas Orzil, em meados dos anos 80. O dono e líder do negócio era o Sr. Tião, homem alto, de bigode, prestativo. E ele foi sempre solidário à comunidade. No início, por permitir que catássemos, rua abaixo, as laranjas que acidentalmente caíam ao serem despejadas dos caixotes para a bancada. Sentíamos úteis. Depois, foi generoso ao nos presentear com as frutas feias rejeitadas pela clientela. Meu amigo Sérgio perguntava convidando-nos: “Vão lá na feirinha esquematizar lambujas?” Lambuja era, inteligentemente, o apelido dado por ele às laranjas aproveitáveis, com pequenas partes apodrecidas. O Sr. Tião foi mais bondoso ainda quando, muito depois, com já anos de feira, passou a dar serviço para alguns dos lambujeiros dispostos a carregar caixas e também aos mais educados para ajudá-lo atender os fregueses. Esses amigos, que passaram a trabalhar na feira, foram ainda mais vitaminados e fortificados com verduras, frutas, ovos, leites e carnes.

Cristiano Lopes Cançado de la Rocha, escritor e compositor. Publicou “poemas e canções” em 2001 (independente e auto-financiado), “à espreita da aurora” em 2014 (coleção de canções na internet ) e atualmente trabalha em dois projetos artísticos: finalização de seu 2º álbum de canções e manutenção desse site.

contato@pingodeouvido.com.br