Quininha, jogo de rua

Quininha, jogo de rua

Lopes al’Cançado Rocha, o Cristiano

Foto0454

COMO se sabe, no bairro Belo Vale as ruas locais não passam dos seus oito metros de largura. E o espaço para pedestres não chega a um metro e sessenta centímetros. Ali, quando cai a tarde e as casas disseminam aquele cheiro maravilhoso de janta, os meninos brincam um jogo de rua que pouco se conhece: é a quininha.

Em ambos os passeios se improvisam com chinelos as traves dos gols ao pé dos muros. Do gradil à guia (meio-fio) representa-se a “pequena área” dos jogadores.

Regras. Cada jogador defende o seu gol e tem por vez o direito de lançar a bola com as mãos visando acertá-la na quina do paralelepípedo oposto. Acertando o alvo, o lançador aproveita o rebote dominando a bola – agora sem o apoio das mãos, valendo apenas cabeça, tronco, pernas e pés –  sob o limite de três toques antes de finalizar com o chute ao gol adversário. Se não acertar a quina, passa-se a vez.

Quando do trânsito de automóveis e motocicletas paralisa-se a jogada repetindo-a em seguida. No caso de bicicletas a jogada corre normalmente. Ótima brincadeira urbana ao ar livre para áreas preferencialmente residenciais com pouca movimentação de veículos. A molecada desenvolve e aperfeiçoa uma série de habilidades e atributos.

Em nossa época, há uns vinte anos atrás, as brincadeiras de rua eram mais grosseiras, porém não menos criativas. Sumiram muito rapidamente. Citemos as seguintes: finca, carrinho de rolimã, novo tôco melão, mamãe-da-rua, garrafão, latinha e paredão.

contato@pingodeouvido.com.br