Casa do mundo – poema

CASA DO MUNDO

Lopes de la rocha

Casa_do_mundo

 

Todo santo dia nalguma hora me levanto

Não sei se muito tarde ou muito cedo

Pois nem lua nem sol sequer desponta

Nem um galo errado nos avisa com seu canto.

 

Planto os pés no chão frio do meu quarto

Miro o corredor, crio coragem e ando

Urino, agora, com muito alívio no banheiro

Abro os olhos, penteio-me, lavo a boca e o rosto.

 

Sorrio-me ao espelho.

 

Passo pela cozinha e pelo serviço

Já da porta para o quintal avisto meu poço

Aproximo, puxo a tampa e inclino-me com a cabeça

E sopro bastante. Tão leve e suave sôpro

Que apenas a mim mesmo ouço.

 

Uma vez ou outra; muito de vez em quando

Um eco lá do fundo me responde:

“Por Deus e por amor… não me esqueça

Socorro! ”

Comunhão – Poema

 Comunhão

imagem_leque-2

 

Eu era o câncer

Tu eras a virgem que me cura, depois me devora

Eu era a guerra

Tu eras a paz que me provoca

Era eu a contemplação

Tu eras o duro, o denso, a nota

Eu era o sonho

Tu eras o beliscão que me acorda

Eu era o vozear

Tu eras a guilhotina que me degola

Tu eras já a Justiça Social

Eu era ainda a esmola

Eu era a magreza

Tu eras o feijão que me engorda

Eu era o vício

Tu eras a virtude que me vigora

Era eu, pungido, o tambor

Eras tu, tangida, a corda

Medo era eu

Tu eras a escolta

Tu eras o berço

Eu era a cova

Eras tu a alvura

Era eu a nódoa

Tu o acordo

Eu a discórdia

Tu eras a faca que ao meio corta tudo

Eu era a meia que nada corta

Eu o som descompassado

Tu a delicada pausa

Tu eras o carinho

Eu era a espora

Tu a raposa campeã

Eu o galo à espreita da aurora

Eu era ainda o tema

Tu já eras a estória

Eu era a vaga lembrança

Tu eras a sã memória

Tu o prosaico e milionário cinema

Eu a pobre poesia morta

Eu a dor do parto

Tu o alívio da morte

Tu eras a esperança pousada

Eu o cinza que sobe

Tu eras a abundância do sul

Eu a escassez do norte

Tu a corrente

Eu o que pesa, o pingente.