CARTA DE JOSÉ DE ALENCAR

CARTA DE JOSÉ DE ALENCAR

(Apresentação de Castro Alves a Joaquim Maria Machado de Assis)

Tijuca, 18 de fevereiro de 1868.

Ilmo. Sr. Machado de Assis.

Recebi hontem a visita de um poeta.

O Rio de Janeiro não o conhece ainda; muito breve o há de conhecer o Brasil. Bem entendido, fallo do Brazil que sente; do coração e não do resto.

O Sr. Castro Alves é hospede d’esta grande cidade, alguns dias apenas. Vae a S. Paulo concluir o curso que encetou em Olinda.

Nasceu na Bahia, a patria de tão bellos talentos; a Athenas brazileira que não cança de produzir estadistas, oradores, poetas e guerreiros.

Podia acrescentar que é filho de um médico illustre. Mas para que? A genealogia dos poetas começa com seu primeiro poema. E que pergaminhos valem estes selados por Deus?

O Sr. Castro Alves trouxe-me uma carta do Dr. Fernandes da Cunha, um pos pontífices da tribuna brazileira. Digo pontífice, porque nos caracteres d’essa tempera o talento é uma religião, a palavra um sacerdócio.

Que júbilo para mim! Receber Cícero que vinha apresentar Horácio, a eloquência conduzindo pela mão a poesia, uma gloria esplendida mostrando no horizonte da pátria a irradiação de uma límpida aurora!

Mas também quanto, n’esse instante, deplorei minha pobreza, que não permittia dar a tão caros hospedes régio agasalho. Carecia de ser Hugo ou Lamartine, os poetas-oradores, para preparar esse banquete da intelligencia.

Se, ao menos, tivesse n’esse momento junto de mim a pleiade rica de jovens escriptores, à qual pertencem o senhor, o Dr. Pinheiro Guimarães, Bocayuva, Muzio, Joaquim Serra, Varella, Rozendo Moniz, e tantos outros!…

Entre estes, porque não lembrarei o nome de Leonel de Alencar, aquém o destino faz ave de arribação na terra natal? Em litteratura não ha suspeições: todos nós, que nascemos em seu regaço, não somos da mesma família?

Mas a todos o vento da contrariedade os tem desfolhado por ahi, como flôres de uma breve primavera.

Um fez da penna espada para defender a patria. Alguns têm as azas crestadas pela indifferença; outros, como douradas borboletas, presas na teia d’aranha, se debatem contra a realidade de uma profissão que lhes tolhe os vôos.

Felizmente estava eu na Tijuca.

O senhor conhece esta montanha encantadora. A natureza a collocou a duas leguas da Côrte, como um ninho para as almas cançadas de pousar no chão.

Aqui tudo é puro e são. O corpo banha-se em águas crystallinas, como o espírito na limpidez d’este céo azul.

Respira-se à larga, não somente os ares finos que vigoram o sopro da vida, porém aquelle halito celeste do Creador, que bafejou o mundo recem-nascido. Só nos ermos em que não chairam ainda as fezes da civilização, a terra conserva essa divindade do berço.

Elevando-se a estas eminencias, o homem approxima-se de Deus. A Tijuca é um escabelo entre o pantano e a nuvem, entre a terra e o céo. O coração que sobe por este genuflexorio, para se prostrar aos pés do Omnipotente, conta trez degráos; em cada um d’elles, uma contricção.

No alto da Boa Vista, quando se descortina longe, serpejando pela várzea, a grande cidade reptil, onde as paixões pupulam, a alma que se havia atrophiado no fóco do materialismo, sente-se homem. Em baixo era uma ambição; em cima contemplação.

Transposto esse primeiro estadio, além, para as bandas da Gavea, ha um lugar que chamam Vista Chineza. Este nome lembra-lhe naturalmente um sonho oriental, pintado em papel de arroz. É uma tela soblime, uma decoração magnifica d’este inimitável scenario fluminense. Dir-se-hia que Deus entregou a algum de seus archanjos o pincel de Apelles, e mandou-lhe encher aquelle panno de horizonte. Então o homem sente-se religioso.

Finalmente, chega-se ao Pico da Tijuca, o ponto culminante da serra, que fica do lado opposto. D’ahi os olhos deslumbrados veem a terra como uma vasta ilha a submergir-se entre dous oceanos, o oceano do mar e o oceano do ether. Parece que estes dous infinitos, o abysmo e o céo, abrem-se para absorver um ao outro. E no meio d’essas immensidades, um atomo, mas um atomo, rei de tanta magnitude. Ahi o ímpio é christão e adora o Deus verdadeiro.

Quando a alma desce d’essas alturas e volve ao pó da civilização, leva comsigo uns pensamentos sublimes, que no mais baixo remontam à sua nascença, pela mesma lei que faz subir ao nivel primitivo da água derivada do topo da terra.

N’estas paragens não podia meu hospede soffrer jejum de poesia. Recebi-o dignamente. Disse á natureza que puzesse a meza, e enchesse as amphoras das cascatas de lympha mais deliciosa que o falerno do velho Horacio.

A Tijuca esmrou-se na hospitalidade. Ella sabia que o joven escriptor vinha do Norte, onde a natureza tropical se espanneja em lagos de luz diaphana e, orvalhada de esplendores, abandona-se lasciva como uma odalisca ás caricias do poeta.

Então a natureza fluminense, que também, quando quer, tem d’aquellas impudencias celestes, fez-se casta e vendou-se com as alvas roupagens das nuvens. A chuva a borrifou de aljofares; as nevoas delgadas resvalam pelas encostas como as fimbrias da branca tunica roçagante de uma virgem christan.

Foi assim, a sorrir entre os nitidos véos, com um recato de donzella, que a Tijuca recebeu nosso poeta.

O Sr. Castro Alves lembrava-se, como o senhor e alguns poucos amigos, de uma antiguidade de minha vida; que eu outr’ora escrevera para o theatro. Avaliando sobre medida minha experiencia n’este ramo difícil da litteratura, desejou ler-me um drama, primicia de seu talento.

Essa producção já passou pelas provas publicas em scena competente para julgal-a. A Bahia applaudiu com jubilos de mãe a ascensão da nova estrella de seu firmamento. Depois de tão brilhante manifestação, duvidar de si, não é modestia unicamente, é respeito á santidade de sua missão de poeta.

Gonzaga é o título do drama que lemos em breves horas. O assumpto, colhido na tentativa revolucionaria de Minas, grande manancial de poesia historica ainda tão pouco explorado, foi enriquecido pelo auctor com episódios de vivo interesse.

O Sr. Castro Alves é um discípulo de Victor Hugo, na architectura do drama, como no colorido da ideia. O poema pertence á mesma escola do ideal; o estylo tem os mesmos toques brilhantes.

Imitar Victor Hugo só é dado ás inteligencias de primor. O Ticiano da litteratura possue uma palheta que em mão de colorista medíocre mal produz borrões. Os moldes ousados de sua phrase são como os de Benevenuto Cellini; se o metal não fôr de superior afinação, em vez de estatuas sahem pastiços.   

Não obstante, sob essa imitação de um modelo sublime desponto no drama a inspiração original, que mais tarde ha de formar a individualidade litteraria do auctor. Palpita em sua obra o poderoso sentimento da nacionalidade, essa alma da patria, que faz os grandes poetas, como os grandes cidadãos.

Não se admire de assimilar eu o cidadão e o poeta, duas entidades que no espírito de muitos andam inteiramente desencontradas. O cidadão é o poeta do direito e da justiça; o poeta é o cidadão do bello e da arte.

Ha no drama Gonzaga exhuberancia de poesia. Mas d’este defeito a culpa não foi do escriptor; foi da edade. Que poeta aos vinte annos não tem essa prodigalidade soberba de sua imaginação, que se derrama sobre a natureza e a inunda?

A mocidade é uma sublime impaciencia. Deante d’ella a vida se dilata, e parece-lhe que não tem para vivel-a mais que um instante. Põe os labios na taça da vida, cheia a transbordar de amor, de poesia, de gloria, e quizera estancal-a de um sorvo.

A sobriedade vem com os annos; é virtude do talento viril. Mais entrado na vida, o homem apprende a poupar sua alma. Um dia, quando o Sr. Castro Alves reler o Gonzaga, estou convencido que elle há de achar um drama esboçado, em cada personagem d’esse drama.

Olhos severos talvez enxerguem na obra pequenos senões.

Maria, achando em si forças para enganar o governador em um transe de suprema angustia, parecerá a alguns menos amante, menos mulher, do que devera. A acção, dirigida uma ou outra vez pelo accidente material, antes do que pela revolução intima do coração, não terá na opinião dos realistas, a naturalidade moderna.

Mas são esses defeitos da obra, ou do espirito em que elle se reflecte? Muitas vezes já não surprehendeu seu pensamento a fazer a critica de uma flor, de uma estrella, de uma aurora? Se o deixasse, creia que elle se lançaria a corrigir o trabalho do supremo artista. Não somos homens debalde: Deus nos deu uma alma, uma individualidade.

Depois da leitura do seu drama, o Sr. Castro Alves recitou-me algumas poesias. A Cascata de Paulo AffonsoAs duas ilhas e A visão dos mortos não cedem ás excelências da língua portuguesa n’este genero. Ouça-as o senhor, que sabe o segredo d’esse metro natural, d’essa rima suave e opulenta.

N’esta capital da civilização brazileira, que o é também de nossa indifferença, pouco apreço tem o verdadeiro merito quando se apresenta modestamente. Comtudo, deixar que passasse por aqui ignorado e despercebido o joven poeta bahiano, fora mais que uma descortezia. Não lhe parece?

Já um poeta o saudou pela imprensa; porém, não basta a saudação; é preciso abrir-lhe o theatro, o jornalismo, a sociedade, para que a flor d’esse talento cheio de seiva se expanda nas auras da publicidade.

Lembrei-me do senhor. Em nenhum concorrem os mesmos titulos. Para apresentar ao publico fluminense o poeta bahiano, é necessário não só ter fôro de cidade na imprensa da Côrte, como haver nascido n’este bello Valle do Guanabara, que ainda espera um cantor.

Seu melhor titulo, porém, é outro. O senhor foi o unico de nossos escriptores, que se dedicou sinceramente á cultura d’essa difficil sciencia que se chama critica. Uma porção de talento que recebeu da natureza, em vez de aproveital-o em creações próprias, teve a abnegação de aplical-o a formar o gosto e desenvolver a litteratura patria.

Do senhor, pois, do primeiro critico brazileiro, confio a brilhante vocação litteraria, que se revelou com tanto vigor.

Seja o Virgilio do joven Dante, conduza-o pelos invios caminhos por onde se vae á decepção, á indifferença e finalmente á gloria, que são os trez circulos maximos da divina comedia do talento.

José Martiniano de Alencar

Glossário:

Apelles= pintor da Grécia antiga.

Falerno = vinho da península itálica.

Espannejar= espoar, expor-se espalhadamente.

Fimbrias = franjas, guarnições.

Roçagante = que se arrasta pelo chão, que roçaga.

Ticiano = Tizian Vecellio De Gregorio, pintor renascentista italiano.

Benevenuto Cellini = artista da Renascença, escultor, ourives e escritor italiano. 

Pastiços = postiços, acrescentados depois da obra pronta.